Naufrágio mata 150 refugiados somalis no Iêmen

Mais de 150 refugiados que deixavam a Somália morreram depois que dois barcos naufragaram na costa do Iêmen, informou nesta sexta-feira a Organização das Nações Unidas (ONU). Os dois barcos eram parte de um grupo de quatro que naufragaram ao tentar fugir da patrulha costeira iemenita, após cruzar o Golfo de Áden. De acordo com a ONU, 34 corpos já foram encontrados, e 357 pessoas foram resgatadas.Entenda a crise na SomáliaO incidente ocorreu em meio à tentativa do governo interino da Somália de controlar a "anarquia" em que se encontra o país. Na última quinta-feira, tropas do governo retomaram o controle da capital Mogadíscio."Este país vivenciou anarquia, e para restaurar a segurança é preciso mão firme, em especial com as milícias", disse o primeiro-ministro Ali Mohammed Ghedi. O líder do governo interino afirmou que tentará reunir apoio parlamentar para aprovar neste sábado uma lei marcial no país.NegociaçõesUm dia depois de retomar o controle da capital, o governo começou a negociar com líderes tribais que dominam a cidade uma maneira de consolidar seu poder. Mas correspondentes questionam a capacidade do governo interino de conter as milícias islâmicas, depois que a União das Cortes Islâmicas (UCI) abandonou a cidade e se dirigiu para Kismayo, vilarejo 500 km ao sul de Mogadíscio.É a primeira vez que o governo interino controla Mogadíscio, antes dividida em diversos clãs e, depois, sob a lei islâmica imposta pela UCI. Para tomar o controle da capital, o governo precisou do apoio de tropas da Etiópia, que descreveu seu papel no conflito apenas como "limitado". Um porta-voz do governo interino disse à BBC que as tropas que entraram na cidade eram majoritariamente formadas por somalis, mas Bereket Simon, conselheiro do primeiro-ministro etíope, esclareceu que soldados do país vizinho permaneciam vigilantes na periferia da cidade.Uma resolução aprovada pelo Conselho de Segurança da ONU em 6 de dezembro previa o envio de forças da União Africana para a Somália, mas proibia expressamente a participação de soldados dos países fronteiriços.A União Africana pediu à Etiópia que retire suas forças da Somália. Mas não houve consenso no Conselho de Segurança da ONU para aprovar uma resolução pedindo a retirada de todas as tropas estrangeiras do país.VítimasO analista para África da BBC, David Bamford, avaliou que existe possibilidade de as forças da UCI adotarem a estratégia de guerrilha no conflito, mas ressaltou que o movimento saiu enfraquecido dos combates da última semana.No campo diplomático, uma delegação da milícia islâmica está em Nairóbi, capital do vizinho Quênia, para encontros com autoridades quenianas e diplomatas estrangeiros. Segundo uma matéria no jornal queniano Daily Nation, homens armados tomaram conta da fronteira entre a Somália e o Quênia. O fluxo de refugiados continuará sendo permitido, mas apenas em pontos específicos, afirmou o jornal.A ONU estima que mais de 30 mil pessoas abandonaram suas casas durante o conflito da última semana. "Centenas de jovens foram mortos nos últimos dias", disse à BBC o coordenador dos programas humanitários da ONU na Somália, Eric Laroche. "Cerca de 800 de ambos os lados, mas especialmente do lado islâmico, foram hospitalizadas", acrescentou Laroche.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.