MALAYSIAN MARITIME ENFORCEMENT AGENCY/EFE
MALAYSIAN MARITIME ENFORCEMENT AGENCY/EFE

Naufrágio na Malásia deixa 31 pessoas desaparecidas

A maioria dos desaparecidos é formada por turistas chineses; autoridades acreditam que eles estão à deriva esperando resgate

AP e Reuteres, O Estado de S.Paulo

29 Janeiro 2017 | 09h01

KUALA LUMPUR - Trinta e uma pessoas estão desaparecidas após um naufrágio na Malásia. Entre os desaparecidos, 28 são turistas chineses que aproveitavam o feriado de Ano Novo Lunar. Autoridades malasianas acreditam que os turistas estão à deriva no mar esperando resgate.

Navios da Marinha e a polícia da Malásia procuravam os sobreviventes desde sábado, 27. Mas o resgate foi temporariamente suspenso devido ventos fortes e águas agitadas.

A área de busca é de cerca de 400 milhas náuticas quadradas (cerca de 1.400 quilômetros quadrados) do Mar da China Meridional, segundo informou a Agência de Aplicação Marítima da Malásia (MMEA).

O capitão e um membro da tripulação foram resgatados no domingo, 29, à tarde (horário local) nas águas entre a ilha de Pulau Tiga e uma plataforma de perfuração de petróleo offshore.

Segundo o consulado chinês em Kota Kinabalu, há relatos de sobreviventes à deriva aguardando salvamento.

O barco tinha saído de Kota Kinabalu no estado de Sabah na manhã de sábado, 28, para Pulau Mengalum, uma ilha aproximadamente 60 quilômetros (38 milhas) ao oeste.

A televisão estatal chinesa disse que a tripulação ajudou os passageiros a colocarem coletes salva-vidas quando o barco estava afundando e em seguida tentou procurar ajuda. A MMEA credita que uma combinação de fatores, incluindo a superlotação, o tempo ruim e a condição do mar, causou a tragédia.

Outros casos. Em novembro, mais da metade dos 101 passageiros de um barco morreu depois que uma embarcação atingiu um recife e afundou ao largo da ilha indonésia de Batam, ao sul de Cingapura. Quatro meses antes, um barco afundou a caminho de Batam. As autoridades malaias recuperaram oito corpos e resgataram 34 pessoas. A polícia da Malásia recuperou 17 corpos em janeiro do ano passado depois que um barco que transportava imigrantes ilegais naufragou em alto mar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.