Naufrágio nas Filipinas deixa mais de 800 desaparecidos

Mais de 800 pessoas estavamdesaparecidas neste domingo depois que um navio de passageirosfilipino virou por causa de um tufão que matou 155 e deixou umrastro de destruição através do arquipélago. O navio tinha 845 pessoas a bordo, e não cerca de 740 comestimado anteriormente, disseram os proprietários do barco. Até agora só se conhecem quatro sobreviventes do desastremarítimo, que dizem que muitos passageiros não conseguiramabandonar o 'MV Princess of Stars' a tempo. Botes salva-vidas lotados também afundaram nas águas friase agitadas pela tempestade. "Muitos de nós saltaram, as ondas estavam enormes, e achuva estava forte", disse um sobrevivente identificado somentecomo Jesse a uma rádio local. "Só foi feito um alerta de megafone, cerca de trintaminutos antes do barco tombar para o lado." "Logo em seguida eu pulei, o barco virou, as pessoas maisvelhas ficaram no barco." Uma embarcação da guarda costeira que varria as águas emtorno da balsa de vinte e três toneladas tentava confirmarrelatos de que alguns passageiros conseguiram alcançar umapequena ilha próxima. "Estamos torcendo para que mais pessoas tenham chegado àpraia", disse à Reuters o vice-almirante Wilfredo Tamayo, chefeda guarda costeira. O 'Princess of Stars' afundou no sábado, mas a guardacosteira foi incapaz de alcançá-lo por causa do mar agitado edo mau tempo causado pelo tufão Fengshen, que atingiu o centrodas Filipinas na sexta-feira. Chinelos de crianças e coletes salva-vidas foramencontrados na praia. Ao todo, eram 724 passageiros e 121tripulantes. Pelo menos duas outras embarcações da guarda costeiraestavam a caminho para auxiliar os esforços de resgate. Tamayodisse esperar que os mergulhadores sejam capazes de vasculhar obarco submergido na segunda-feira. Ele disse ainda que não há sinais de vazamento decombustível, mas acrescentou que uma equipe especializada emvazamentos de óleo deve chegar ao local com uma das embarcaçõesda guarda costeira antes da madrugada de segunda-feira. O tufão Fengshen, cujos ventos atingem até 195 km/h, matoupelo menos 155 pessoas no centro e no sul das Filipinas,incluindo 101 na província de Iloilo, onde os alagamentosafundaram comunidades inteiras. "Iloilo parece um oceano. Este é o pior desastre de nossahistória", declarou o governador Neil Tupaz à rádio local. Dezenas de milhares de pessoas na província permanecemisoladas nos telhados de suas casas submersas. Na vizinha Capiz, mais de duas mil casas foram destruídasna capital da província, onde as autoridades lutam paraestabelecer contato com comunidades mais distantes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.