Naufrágios provocados por tufão na Coreia do Sul matam 4 pescadores

Acidente provocado pela força de 'Bolaven' aconteceu a 1,8 km do porto de Hwasun em Jeju

28 de agosto de 2012 | 08h29

SEUL - Quatro marinheiros chineses morreram e 12 permanecem desaparecidos depois que as duas embarcações nas quais trabalhavam a poucos quilômetros da ilha sul-coreana de Jeju, no sul do país, afundaram pela força do tufão "Bolaven".

Veja também:

linkTufão Bolaven se dirige para península coreana após deixar feridos no Japão

linkTufão fere 4 e deixa 30 mil casas sem energia no Japão

forum CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

Até o momento, 17 dos 33 pescadores que formavam a tripulação foram resgatados com vida de águas próximas a Jeju, onde as fortes ondas e os ventos do tufão tombaram as embarcações, detalhou uma fonte da Guarda Litorânea sul-coreana à agência "Yonhap".

Veja fotos:

O acidente aconteceu a 1,8 quilômetro do porto de Hwasun em Jeju, por volta das 2h40 locais de terça-feira (14h40 de segunda em Brasília). As autoridades foram informadas do acidente por dois membros da tripulação, que conseguiram chegar ao porto.

Ambos os pescadores foram levados a um hospital próximo, um deles com ferimentos graves e o outro com dificuldades para respirar, detalhou a "Yonhap".

Pouco depois, a Guarda Litorânea resgatou outros dez membros da tripulação acidentada, enquanto já localizou mais cinco pescadores no interior de uma das embarcações atingidas.

O outro pesqueiro, que se partiu em dois e no qual viajavam os 12 marinheiros ainda desaparecidos, se encontra encalhado em águas próximas ao porto de Hwasun, em Jeju.

Após sua passagem pelo Japão, onde deixou sete feridos, o tufão "Bolaven" se encontra agora no sudoeste da Coreia do Sul, local em que há diversas casas sem eletricidade. A Coreia do Sul decretou o alerta por fortes ventos e chuvas que poderiam alcançar os 50/100 milímetros na capital, Seul, e fechou o tráfego em uma das duas pontes que liga a cidade ao aeroporto internacional de Incheon.

Além disso, as autoridades sul-coreanas reiteraram às administrações locais a necessidade de tomarem todas as medidas de prevenção e se prepararem para o pior cenário possível por se tratar de um tufão "extremamente forte".

 
Tudo o que sabemos sobre:
TufãoBolavenCoreia do Sul

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.