Navalny muda o tom ao dizer que foi vitorioso em Moscou

O líder da oposição na Rússia, Alexei Navalny, acalmou os ânimos em Moscou após ter perdido as eleições para prefeito da cidade. Navalny pediu à uma plateia cheia de apoiadores que celebrasse seu surpreendente e forte segundo lugar como uma vitória que eleva a competição política na Rússia.

AE, Agência Estado

09 de setembro de 2013 | 18h00

Navalny ficou atrás do candidato do governo e havia pedido recontagem dos votos nesta segunda-feira. A Comissão Eleitoral de Moscou afirmou que o ex-chefe do Kremlin, Sergei Sobyanin, conseguiu pouco mais de 51% dos votos, enquanto Navalny somou 27%.

"Nós não reconhecemos estas eleições", disse Navalny a repórteres logo após a divulgação do resultado. "Sobyanin não pode se considerar o prefeito de todos os moscovitas, ele não pode se considerar o prefeito eleito por lei a não ser que concorde com nosso pedido e permita uma recontagem dos votos".

Entretanto, ao invés de convocar manifestantes para protestos na ruas como os conduzidos por ele após a eleição para o Parlamento nacional em 2011, Navalny pediu a seus apoiadores para manter o tipo de ativismo político que o ajudou a bater todas as expectativas ao conquistar 27% dos votos.

As eleições deste domingo foram de alguma forma menos sobre Sobyanin, que muitos concordam trouxe mudanças positivas para Moscou desde que tomou posse há três anos, e mais sobre o aprofundamento no descontentamento com a administração do presidente Vladimir Putin, em Moscou, especialmente entre os jovens da classe média. Navalny, 37 anos, atraiu centenas de voluntários entusiasmados a ajudá-lo em sua campanha nas ruas de Moscou.

"Durante estas eleições, a política finalmente nasceu na Rússia", afirmou Navalny para uma enorme plateia na Praça Bolotnaya.

Navalny estava numa versão mais madura e contida do que a figura que inspirou os protestos em massa contra Putin. Para a multidão, ele disse que chegará o momento em que vai pedir a seus apoiadores para protestar, mas por enquanto quer apenas que seja mantido o trabalho político desenvolvido durante as eleições.

Caso Sobyanin, tivesse conseguido menos de 50% dos votos, ele teria de enfrentar Navalny em um segundo turno. O líder da oposição ficou conhecido quando liderou campanhas contra o governo do presidente Vladimir Putin.

Mais conteúdo sobre:
RússiaeleiçãoMoscou

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.