Navegador que bebeu causou acidente russo

A investigação sobre a queda de um avião que matou 47 pessoas em junho na Rússia concluiu que o navegador da aeronave estava alcoolizado, o que contribuiu para o acidente. Ele instruiu a tentativa de aterrissagem em uma estrada próxima em vez da pista do aeroporto local.

MOSCOU, O Estado de S.Paulo

20 Setembro 2011 | 06h08

O relatório sobre o acidente cita a forte neblina e ainda culpa o piloto, que tentou aterrissar sem ver as luzes do aeroporto. O avião atingiu árvores antes de cair em uma estrada a 700 metros da cabeceira da pista do aeroporto de Petrozavodsk, no norte da Rússia.

Exames concluíram que o navegador, morto na queda, bebeu o equivalente a um copo de vodca pouco antes do acidente. Amostras de sangue detectaram 0,081% de álcool no sangue, pouco acima dos limites legais para pilotar nos EUA e na Grã-Bretanha. Na Rússia, é proibido pilotar com qualquer nível de álcool no sangue.

O navegador, que tinha 25 anos de experiência e mais de 13 mil horas de voo, estaria "excessivamente hiperativo" durante a viagem, dando ordens para o piloto aumentar a velocidade durante a aterrissagem. Segundo o relatório, o piloto obedeceu ao navegador sem questionar as orientações dele e ignorou o copiloto durante quase todo o processo de decisão.

O avião levava 52 pessoas. Cinco sobreviveram. Não foram encontradas evidências de falhas técnicas.

O Tupolev-134 é um avião de duas turbinas projetado nos anos 60, ainda durante o período soviético. O modelo, que tem capacidade para até 76 passageiros, voa em mais de 40 países, mas a maior parte da frota é usada por companhias aéreas da Rússia. / REUTERS e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.