Navio brasileiro chega com gasolina à Venezuela

O navio petroleiro brasileiro Amazon Explorer chegou neste sábado pela manhã à costa venezuelana com 520 mil barris de gasolina sem chumbo enviada pela Petrobrás para aliviar a escassez de combustível imposta à Venezuela pela greve geral que chega hoje ao 27º dia. O petroleiro atracaria mais tarde em Puerto La Cruz, a 220 quilômetros de Caracas. Fontes do governo venezuelano informaram que o presidente do país, Hugo Chávez, compareceria ao porto durante o atracamento do navio como forma de expressar seu agradecimento ao Brasil. O envio de gasolina brasileira para a Venezuela causou o protesto da oposição venezuelana contra o presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva. Os adversários de Chávez esperavam que o caos provocado no país pela falta de combustível intensificasse as pressões para que o presidente renuncie e convoque novas eleições. "Lula está mal assessorado sobre temas da política venezuelana e só ouviu um dos lados nessa questão", declarou o secretário-geral da Confederação dos Trabalhadores da Venezuela (CTV), Carlos Ortega. Líderes opositores qualificaram ainda Lula de "fura-greve". O envio da gasolina brasileira para a Venezuela - quinto maior produtor de petróleo do mundo - foi negociado pelo assessor para Assuntos Internacionais de Lula, Marco Aurélio Garcia, enviado pelo presidente eleito ao país há duas semanas. O presidente brasileiro, Fernando Henrique Cardoso, aceitou o pedido do governo eleito para enviar o petroleiro. Na semana passada, Lula ressaltou que a ajuda ao governo da Venezuela não significava nenhum tipo de intromissão nos assuntos internos do país vizinho. "É apenas um ato de solidariedade com o povo venezuelano, que não pode pagar o preço da crise política", declarou Lula.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.