Navio do aborto vai agora à Irlanda

Uma clínica flutuante zarpará de Amsterdã para Dublin na próxima semana para atender mulheres que queiram realizar aborto em águas internacionais, escapando da lei irlandesa que proíbe a interrupção da gravidez. Administrada por uma organização holandesa, a clínica funcionará de acordo com normas aceitas na Holanda, oferecendo aborto gratuito para mulheres irlandesas que não têm condições financeiras de viajar para a Inglaterra, onde o aborto é legal. A idéia é "proporcionar aborto seguro para mulheres que vivem em locais onde ele é ilegal", afirmou Joke van Kampen, porta-voz do grupo Women on Waves (mulheres nas ondas)."Uma mulher pode sofrer seqüelas físicas por vários anos depois de passar por um aborto em uma clínica clandestina". Segundo Kampen, o navio-clínica foi convidado por grupos do Brasil, das Filipinas e de vários outros países onde o aborto não é legalizado. Ela não informou quais organizações fizeram o convite.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.