Navio encalhado 'causou muitos danos' na Grande Barreira de Corais

Autoridades da Austrália dizem que marcas deixadas pelo cargueiro atingiram mais de um quilômetro.

Nick Bryant, BBC

13 de abril de 2010 | 19h42

Autoridades australianas afirmaram nesta terça-feira que um cargueiro chinês que encalhou nesta semana na costa do Estado de Queensland provocou danos generalizados na Grande Barreira de Corais - um dos patrimônios da humanidade da Unesco.

O navio Shen Neng 1 foi removido na noite de segunda-feira, em uma operação que foi antecipada por causa do mau tempo e mar revolto.

O governo australiano indicou que vai levar o caso à Justiça porque o navio encalhou em uma área onde a navegação é proibida.

Uma avaliação preliminar feita por mergulhadores concluiu que os danos atingiram uma extensão de mais de um quilômetro na Grande Barreira.

O chefe do Departamento da Reserva Marinha da Grande Barreira de Corais disse que há marcas significativas e que a limpeza provavelmente será a maior operação já realizada no recife.

Danos gerais

Os danos não teriam sido tão grandes se o navio tivesse encalhado e parado. Mas fortes ventos e corrente marinha fizeram com que a embarcação de 230 metros de comprimento continuasse a se arrastar pelos corais por mais de um quilômetro durante a semana em que ficou encalhado, pulverizando os corais.

As autoridades estão preocupadas especialmente com a pintura tóxica que foi raspada do casco porque começou a matar imediatamente corais nas imediações.

Esse tipo de pintura é formulado com o objetivo de impedir que organismos cresçam em cascos de navios e pode levar semanas para que se conheça a extensão dos danos.

Depois da remoção, o cargueiro Shen Neng 1, que transportava carvão, está ancorado em segurança.

Acredita-se que a operação de resgate do navio foi completada sem um novo vazamento de combustível dos tanques. Cerca de duas toneladas vazaram logo depois do encalhe.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.