Navio sul-coreano dispara contra embarcação não identificada ao norte

Barco de guerra da Coreia do Sul afundou momentos antes; há suspeita de ataque de Pyongyang

Reuters

26 de março de 2010 | 11h53

SEUL - Um navio da Marinha da Coreia do Sul abriu fogo contra uma embarcação não identificada ao norte depois de outro navio de guerra afundar perto da fronteira marítima com a Coreia do Norte, informou nesta sexta-feira, 26, a agência Yonhap.

 

Segundo a agência, atirou contra um navio na direção da Coreia do Norte, o que poderia sugerir um confronto entre as Marinhas sul-coreana e norte-coreana. Os chefes militares, porém, não confirmaram que houve troca de tiros, mas disseram que a segurança na área está sendo reforçada.

 

Mais cedo, os militares confirmaram que um navio de guerra com 104 marinheiros a bordo afundou perto da fronteira marítima com a Coreia do Norte depois que uma explosão abriu um buraco em seu casco.

 

O governo sul-coreano não sabe o que causou o naufrágio do navio, mas há suspeitas de que tenha sido causado por um torpedo disparado por uma embarcação do norte. Segundo o canal SBS, vários tripulantes podem ter morrido no episódio.

O presidente sul-coreano, Lee Myung-bak, convocou uma reunião emergencial com os ministros da área de segurança, segundo a porta-voz do governo, Kim Eun-hye.

 

A Marinha disse que seis barcos militares e outros dois da guarda costeira foram deslocados para o local do naufrágio para resgatar os tripulantes. Dos 104 tripulantes, mais de 50 haviam sido salvos até então.

 

A última vez que as duas Coreias trocaram tiros no Mar Amarelo, como é conhecida a região da fronteira entre os países, foi em novembro do ano passado. Em janeiro, também houve uma pequena intervenção entre as Marinhas.

 

Nas últimas semanas a Coreia do Norte tem dito que está aumentando suas defesas em resposta a exercícios militares conjuntos da Coreia do Sul e dos EUA realizados neste mês. As Coreias permanecem em estado de guerra, que não foi anulado desde a Guerra da Coreia de 1953.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.