U.S. Coast Guard/ The New York Times
U.S. Coast Guard/ The New York Times

Navio tomba e pega fogo na costa da Geórgia, nos Estados Unidos

Das 24 pessoas que estavam a bordo, 20 foram resgatadas e quatro seguem desaparecidas. Causas do acidente ainda estão sendo investigadas.

Redação, O Estado de S.Paulo

09 de setembro de 2019 | 04h28

Equipes de busca procuram por quatro pessoas que estavam a bordo do cargueiro Golden Ray, embarcação que tombou e pegou fogo no domingo, 08. O acidente ocorreu na costa da Geórgia, Estados Unidos, depois que o navio saiu do porto de Brunswick.

Um piloto mais 23 tripulantes estavam na embarcação. Dentre eles, 20 foram resgatados com segurança e quatro seguem desaparecidos. As chamas dificultam a continuidade da operação, segundo informou o capitão da Guarda Costeira americana, John Reed.

O oficial explicou ainda que as equipes tentam estabilizar o navio, que tem quase 200 m, para dar continuidade às buscas. “Uma vez que os profissionais de resgate determinarem que a embarcação foi estabilizada, será possível identificar a melhor opção para os esforços de resgate”, justificou.

As causas do acidente ainda estão sendo investigadas. Autoridades afirmam que não está claro se as condições climáticas contribuíram para que o navio perdesse estabilidade -  o furacão Dorian passou pela região na semana passada antes de ser rebaixado para a categoria de ciclone pós-tropical.

O cargueiro começou a apresentar problemas na manhã de domingo, quando tombou em St. Simons Sound, próximo ao porto de Brunswick, de onde havia saído.

Dorian deixou 43 mortos nas Bahamas

furacão Dorian matou ao menos 43 pessoas nas Bahamas, onde deixou um rastro de devastação e milhares de desabrigados a procura de água e alimentos.

Funcionários de funerárias e de necrotérios foram enviados para a região para ajudar as autoridades, informou o ministro da Saúde, Duane Sands, à mídia local. Sobre o número de mortos total, declarou: "Deixe-me dizer que acho que o número será chocante".

Uma equipe da AFP que sobrevoou a cidade de Marsh Harbour, na ilha de Great Abaco, na quinta-feira, 5, viu cenas de danos catastróficos, centenas de casas destruídas, carros derrubados, campos inteiros de escombros e inundações generalizadas.

Dorian foi um furacão de categoria 5, o máximo possível na escala que mede a velocidade do vento, quando atingiu as Bahamas no último domingo, 1º, deixando um rastro de imensa destruição. Milhares ficaram desabrigados, e as Nações Unidas disseram que 70 mil pessoas precisam de ajuda imediata. /AP e AFP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.