Cornelius Poppe/NTB Scanpix/AP
Cornelius Poppe/NTB Scanpix/AP

Navios de patrulha chineses entram em águas disputadas com Japão

Informação é da TV pública de Tóquio, citando guarda costeira japonesa; crise se agrava entre países

Reuters

18 de setembro de 2012 | 07h49

Texto atualizado às 8h47

 

TÓQUIO - Ao menos dois dos 11 navios de patrulha chineses que navegam perto das ilhas disputadas com o Japão no mar do Leste da China entraram em território considerado pelo governo japonês como sua propriedade, informou a emissora pública de TV NHK nesta terça-feira, 18, citando a Guarda Costeira do Japão.

 

Veja também:

linkDisputa por arquipélago se agrava e aumenta tensão entre China e Japão

linkGrandes empresas japonesas fecham fábricas na China

linkChina pede que Japão negocie soberania de ilhas

 

Protestos anti-Japão têm acontecido frequentemente em cidades chinesas e em outras localidades ao redor do mundo, em consequência da disputa pelas ilhas, chamadas de Senkaku no Japão e Diaoyu na China, onde acredita-se que existam reservas de gás natural.

 

A tensão entre Tóquio e Pequim cresceu na segunda, com o fechamento temporário de algumas fábricas japonesas na China - como Nissan, Mazda e Canon. Lojas de marcas japonesas também fecharam as portas para prevenir vandalismo. Além disso, o governo chinês anunciou o envio de mil pesqueiros às ilhas disputadas pelos dois países - Senkaku, para os japoneses, ou Diaoyu, para os chineses -, ato que o Japão chamou de "provocação".

 

 

Apesar da tensão, alguns analistas afirmam que a China adotou uma posição dúbia com relação à crise diplomática. Apesar de encorajar discretamente os protestos nacionalistas contra o Japão, Pequim também tenta refreá-los publicamente. A preocupação é a de que as manifestações saiam de controle e se voltem facilmente contra o regime. Autoridades em Pequim assinalaram ontem que pretendiam reduzir a intensidade dos protestos pela soberania do arquipélago por contra, entre outros fatores, do impacto da disputa, que já teria afetado o comércio entre os dois países.

 

De acordo com analistas, a estratégia de dubiedade foi cuidadosamente elaborada pela China para aumentar a pressão sobre o Japão, mas sem deixar de levar em conta a política interna. O governo chinês manobra para garantir posições de vantagem antes da transição de líderes, como é praxe a cada dez anos no país.

 

O processo atingirá seu momento mais importante nas próximas semanas, quando Xi Jinping substituirá Hu Jintao na presidência do país, durante o 18.º Congresso do Partido Comunista Chinês, marcado para outubro.

Tudo o que sabemos sobre:
ChinaJapãoilhasSenkakuDiaoyu

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.