Aaron Favila/AP
Aaron Favila/AP

Negociação para libertação de reféns nas Filipinas é suspensa

Diálogo será retomado na sexta; grupo de homens armados que fugia de corpos de segurança detém 55 adultos

Efe,

10 de dezembro de 2009 | 13h02

O governo das Filipinas e o grupo de homens armados que mantém 55 civis como reféns no sul do país decidiram nesta quinta-feira, 10, suspender até a sexta-feira as negociações para libertar os sequestrados.

 

A filipina Josefina Bajade, que participa das negociações, disse que os sequestradores se comprometeram a respeitar a vida dos reféns, todos eles adultos.

 

Os sequestradores, que se encontram entrincheirados na localidade de Prosperidad, na província de Agusan del Sur, condicionam a libertação dos reféns à detenção do líder de um clã rival, à retirada dos soldados e policiais que os cercam, à retirada das acusações penais contra eles e a a presença de jornalistas na negociação.

 

O suposto chefe dos sequestradores foi identificado pelas autoridades como Ondo Perez, um ex-membro de um grupo paramilitar governamental que mantém um confronto com outro influente líder da região chamado Jun Tubay, residente em Prosperidad. As autoridades acusam o grupo de Perez de ter assassinado membros da família de Tubay em fevereiro.

 

Pelo menos 17 crianças e um adulto foram libertados, e outros dois escaparam, pouco depois do sequestro de 75 pessoas em uma localidade do sul das Filipinas. A maioria dos reféns é de estudantes de uma escola da província de Agusan del Sur, em Mindanao.

 

O sequestro aconteceu quando o grupo de pistoleiros escapava dos corpos de segurança, com os quais tinha mantido um tiroteio na área da Purísima, quando entrou na área da escola e se refugiou na mesma, da qual saiu com vários reféns. Durante a fuga, também capturaram dois guardas florestais de uma companhia madeireira.

Tudo o que sabemos sobre:
Filipinassequestro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.