Negociação sobre programa nuclear do Irã avança pouco

As negociações sobre o programa nuclear do Irã estão tendo pouco progresso, afirmaram diplomatas na segunda-feira. Eles disseram que Teerã está resistindo aos esforços liderados pelos EUA para limitar as atividades que podem ser utilizadas para a produção de armas nucleares.

AE, Agência Estado

08 de julho de 2014 | 01h01

Os dois lados tentam chegar a um acordo até o prazo de 20 de julho. No entanto, passados cinco dias da última rodada de negociações entre Irã e seis potências globais, dois diplomatas disseram à Associated Press que ainda há um desacordo sobre as limitações que o Irã está disposto a aceitar em troca do fim completo das sanções econômicas.

A resistência pode ser observada ontem, quando o líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, rejeitou as pressões de norte-americanos e aliados nas negociações de Viena para forçar o Irã a fazer concessões. Khamenei disse a seus principais funcionários que o país deve planejar como se as sanções estivessem em vigor, de modo que Irã estará imune às ameaças externas.

Em fala à televisão estatal, Khamenei afirmou que os EUA têm como objetivo convencer o Irã a limitar a capacidade de enriquecimento de urânio a 10.000 Unidades de Trabalho Separativo (UTS, medida utilizada para o urânio), enquanto Teerã precisa de pelo menos 190.000 UTS.

Os diplomatas disseram que também há desacordos sobre como minimizar a proliferação do perigo de um reator quase completamente construído, que deverá produzir quantidades substanciais de plutônio, também um possível caminho para armas nucleares.

Os negociadores iranianos também resistem à pressão de transformar uma instalação de enriquecimento de urânio dentro de uma montanha para outro uso. "Na instalação de Frodo, eles dizem que ela deve ser desligada porque não é acessível e não pode ser danificada. Isso é risível. Nós estamos certos de que nossa equipe não aceitará que os direitos do país e a dignidade da nação sejam usurpadas", afirmou Khamenei.

Também há diferenças sobre a duração de algum acordo para limitar as atividades nucleares.

Em novembro do ano passado, Irã chegou a um acordo preliminar com China, EUA, França, Reino Unido, Rússia e Alemanha para reduzir o programa de enriquecimento de urânio em troca do fim de algumas sanções econômicas, mas ainda restam detalhes para um acordo final, com o objetivo de resolver a questão no longo prazo, o que levaria à retirada de todas as sanções. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Irãnuclearnegociações

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.