Elena Moreno/Efe
Elena Moreno/Efe

Negociação sobre tratado de armas acaba sem acordo

Grupos de direitos humanos criticaram proposta apresentada por conter 'ambiguidades e brechas'

AE, Agência Estado

27 de julho de 2012 | 20h41

NAÇÕES UNIDAS - As negociações na Organização das Nações Unidas (ONU) para o estabelecimento do primeiro tratado internacional sobre comércio de armas convencionais terminou sem acordo nesta sexta-feira, 27, informou Roberto Garcia Moritan, presidente da conferência.

Veja também:

link Controle de armas pode ser tema de 1° debate entre candidatos, no Colorado

link Proprietários de armas nos EUA apoiam restrições, diz pesquisa

Alguns países se opuseram ao rascunho final, disse o argentino Moritan. A Assembleia Geral da ONU vai decidir se, e quando, haverá mais negociações. "O texto que eu propus era um projeto de tratado...algumas delegações não gostaram do documento, mas a grande maioria aprovou", afirmou Moritan.

Para a adoção do tratado, todos os 193 países envolvidos devem concordar com o documento. A próxima reunião da Assembleia Geral da ONU ocorre em setembro.

"Nós sempre pensamos que seria difícil e que este resultado era possível", disse Moritan. "Nós sabíamos, desde o início que seria um grande desafio diplomático."

O rascunho do tratado que circulou na terça-feira foi severamente criticado por grupos de direitos humanos, dentre eles a Anistia Internacional e a Oxfam, considerado cheio de "ambiguidades e brechas", especialmente por não incluir munições e por permitir uma ampla extensão de transferências de armas, que escapariam do tratado.

Com Dow Jones

Tudo o que sabemos sobre:
ONUtratado de armas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.