Negociações de paz são retomadas no Sudão do Sul

Dezenas de mortos abandonados às margens da estrada que leva ao aeroporto na cidade de Bentiu, região produtora de petróleo no Sudão do Sul, lojas destruídas ou saqueadas carros e ônibus queimados ilustram o dano causado pela guerra recente.

AE, Agência Estado

13 de janeiro de 2014 | 18h50

Negociadores dos dois lados do conflito que já dura um mês se encontraram em Adis-Abeba, Etiópia, nesta segunda-feira e o mediador das negociações, o queniano Lazarus Sumbeiyswo, disse que a agenda incluirá conversas sobre um cessar fogo.

Em meio à violência desencadeada no Sudão do Sul contra o governo, Bentiu foi recapturada pelos militares no fim de semana e o próximo alvo do governo deve ser a região de Bor, dominada pelos rebeldes.

"O que se vê aqui é destruição", afirmou o general James Hoth Mai, comandante-chefe do Exército. "Os rebeldes fugiram, mas estamos no encalço deles".

Mai imediatamente transferiu seus comentários para Bor. "Estamos numa guerra e temos um grande número de soldados em Bor. Vamos atacar."

O Sudão e o Sudão do Sul sofreram durante décadas com a guerra, e especialistas estimam que ao menos dois milhões de pessoas morreram no conflito. Os países fizeram um acordo de paz em 2005 e em 2011 o Sudão do Sul se tornou o mais novo país do mundo por meio de voto. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Sudão do Sulnegociações

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.