Negociações na Colômbia podem se prolongar

A zona desmilitarizada onde se desenvolvem as negociações de paz entre o governo colombiano e a guerrilha deve ser mantida além do prazo-limite de 31 de janeiro, anteciparam hoje delegados do governo do presidente Andrés Pastrana. "A zona de distensão foi criada para o diálogo e a negociação, e neste momento há diálogo e negociação", disse Luis Guillermo Giraldo, um dos sete delegados do governo colombiano na mesa de negociações com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). Giraldo acrescentou que hoje as partes estão negociando em duas frentes: o Comissário de Paz Camilo Gómez está reunido com Manuel Marulanda, líder máximo das Farc, para tentar um acordo humanitário, e os delegados do governo e da guerrilha estão avaliando os resultados dos dois anos de conversações de paz."O processo se desenvolve em meio a avanços e retrocessos, com conquistas e dificuldades. Continuamos dialogando, o que significa que o processo está vivo e há intercâmbio de idéias para superar os empecilhos", acrescentou Giraldo antes de reunir-se com os representantes das Farc. "O fato de estarmos dialogando justifica que se prolongue (a duração) da zona de distensão", concluiu o negociador.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.