Negociações na Líbia pausam para consultas em meio a sinais de progresso

Representantes dos governos rivais da Líbia voltaram a suas bases no país para consultas sobre propostas para encerrar a crise no país. As proposições são resultado de três dias de conversas apoiadas pelas Nações Unidas no Marrocos. As negociações se encerraram neste sábado.

Estadão Conteúdo

07 de março de 2015 | 16h30

Desde a morte do antigo ditador Muamar Kadafi, em 2011, o país está fragmentado em diferentes milícias rivais e agora tem dois governos: um no leste e outro no oeste.

Os esforços da ONU para reunir os dois lados ganharam urgência extra em razão da insurgência de grupos aliados ao radical Estado Islâmico e também por conta de um fluxo migratório vindo da África para a Europa pela costa Líbia.

"As partes estão determinadas a resolver suas diferenças e têm trabalhado em propostas concretas", disse comunicado da ONU.

Embora esta já seja a quarta rodada dessas conversas, é a primeira vez que representantes de cada um dos dois governos rivais estão negociando ativamente. Eles discutem uma forma de governo de união nacional e arranjos de segurança para retirar milícias de cidades e aeroportos.

Enquanto cada delegação ainda se reunia em separado com negociadores, o enviado da ONU Bernardo Leon disse que os dois lados tiveram uma simbólica reunião cara a cara neste sábado.

As propostas agora serão apresentadas para os respectivos governos e as conversas devem recomeçar no meio da semana, disse o porta-voz da ONU Samir Ghattas. As partes devem voltar ao Marrocos com sugestões sobre quem deve liderar o novo governo.

De acordo com um diplomata dos Estados Unidos próximo das negociações, a deterioração na situação de segurança, incluindo os ataques a campos de petróleo nos últimos dias, levaram os participantes a chegarem mais perto de um acordo. "Nós precisamos chegar a um acordo, precisamos seguir em frente", disse o diplomata sob a condição de anonimato porque não tinha autorização para falar com a imprensa.

Ataque

Homens armados atacaram um campo de exploração de petróleo no centro da Líbia, deixando oito seguranças mortos, informou a estatal National Oil Corporation (NOC). A empresa informou neste sábado que evacuou todas as equipes de 11 campos no centro do país após o ataque.

Dois cidadãos europeus ficaram desaparecidos do campo de Ghani depois do ataque. Um cidadão tcheco e outro austríaco desapareceram do local, segundo informou um oficial de relações exteriores da República Tcheca. Ambos estavam trabalhando para companhias internacionais de petróleo na Líbia. Fonte: Associated Press e Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
LíbiaONUconversas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.