Negociações nucleares com Coréia do Norte são adiadas

As negociações sobre as ambições nucleares da Coréia do Norte terminaram nesta quinta-feira, 22, sem progressos.Negociadores das duas Coréias, dos EUA, Japão, Rússia e a China, sede da rodada de diálogos, se encontraram na segunda-feira para discutir o acordo de 13 de fevereiro, que visava acabar com o programa nuclear de Pyongyang. Depois do encerramento, a Casa Branca disse nesta quinta-feira, que a Coréia do Norte precisa cumprir os compromissos que assumiu pelo desarmamento nuclear.O acordo não progrediu porque durante a rodada de negociações, a Coréia do Norte evitou discutir o acordo, exigindo a transferência dos US$ 25 milhões de um empréstimo, que estão presos no Banco Delta Asia, no território chinês de Macau.Havia a promessa de que o dinheiro seria liberado, mas isso não aconteceu."O problema é que os norte-coreanos dizem que precisam dessa questão do BDA finalizada antes que eles possam prosseguir para outros tópicos, o que nos atrasa muito", disse Christopher Hill, enviado americano, à repórteres."Essa rodada de conversações começou com o problema do BDA e terminou com o problema do BDA" disse Kenichiro Sasae, enviado japonês.Mesmo antes que a China oficialmente pedisse recesso, o negociador norte-coreano Kim Kye Gwan tomou um vôo para fora de Pequim, irritada porque os fundos permaneceriam presos no banco de Macau.O porta-voz do Departamento de Estado americano, Sean McCormack, disse a repórteres em Washington que enviados são esperados, para um novo encontro em uma semana ou duas. A China afirmou que os países participantes apenas concordaram em se reunir de novo.Tony Snow, porta-voz da Casa Branca, insistiu que o problema foi só uma "questão técnica em termos de transferência de fundos", e disse esperar que a Coréia do Norte cumpra seus compromissos.Segundo ele, a Coréia do Norte tem a obrigação de permitir a entrada de inspetores nucleares internacionais e de fechar seu principal reator nuclear nos próximos 30 dias, de acordo com o pacto fechado em fevereiro, em troca de assistência na área de energia e garantias de segurança."Nós já concluímos as ações necessárias para solucionar a questão do Banco Delta Asia e esperamos que a mecânica de transferência dos fundos não retrase as negociações", disse Snow."Já fizemos nossa parte", disse Snow. O enviado russo, Alexander Losyukov, acusou os americanos pelo entrave. "O problema foi causado pelos EUA", disse à uma agência de notícias russa.O dinheiro era o foco de uma investigação americana sobre lavagem de dinheiro e falsificação, mas Washington concordou previamente na semana com uma proposta norte-coreana de transferência dos fundos para um banco em Pequim.O banco chinês nega ter aceitado o dinheiro. "Até agora, não fomos questionados para lidar com esse tipo de negócio", disse Li Lihui, presidente do banco.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.