Negociações para governo de união estagnaram, diz Abbas

O presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, afirmou nesta quinta-feira que as negociações entre os movimentos Fatah e Hamas para a formação de um governo de união nacional chegaram a um ponto de estagnação. Já o premier palestino, Ismail Hanyie afirmou que há "algumas dificuldades" nas conversas, mas que elas devem continuar. Abbas disse que sua intenção é "dar esperança ao povo" e criar um governo que atenda às exigências do Quarteto de Madri, formado por EUA, ONU, União Européia e Rússia, que exige que a ANP renuncie à violência e reconheça o Estado de Israel e os acordos já firmados entre palestinos e israelenses. O Fatah, de Abbas, cumpre essas exigências, mas o Hamas, atualmente no governo da ANP, não o faz, o que provocou um bloqueio financeiro internacional ao Executivo palestino. Isso, entretanto, "não parece possível", afirmou o presidente da ANP, que falou nesta quinta-feira à imprensa depois da reunião que teve em Jericó com a secretária de Estado americana, Condoleezza Rice. Haniye vê ´algumas dificuldades´ O premier palestino Ismail Haniye reconheceu que as negociações mantidas entre os palestinos sobre a formação do governo unificado apresentam "algumas dificuldades". Hanyie fez a declaração em coletiva de imprensa no Cairo, em seu terceiro dia no Egito. "As conversas entre palestinos registraram avanços não desdenháveis e estamos de acordo sobre as bases (do novo governo), até chegarmos no último nível, onde topamos com alguns obstáculos", afirmou o premier. De todo modo, Hanyie inssitiu que "continuaremos o diálogo" para eliminar esses obstáculos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.