Negociador diz que Irã quer iniciar "negociações sérias" sobre programa nuclear

O principal negociador nuclear iraniano, Ali Larijani, disse nesta terça-feira que Teerã está pronto para iniciar "negociações sérias" acerca de seus programa nuclear, mas não afirmou se o país irá suspender o enriquecimento de urânio. O cancelamento destas atividades é a principal reivindicação dos EUA e de outras potências ocidentais.O Irã, no entanto, não divulgou nenhum detalhe acerca de sua resposta ao pacote de incentivos apresentados pelos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU - EUA, Rússia, China, Reino Unido e França -, mais a Alemanha, para que o país suspenda o enriquecimento de urânio. Se Teerã não aceitar os benefícios, as potências internacionais ameaçam impor sanções contra o país. Larinjani - que também é secretário do Conselho de Segurança Nacional do Irã - entregou pessoalmente a resposta ao pacote de incentivos aos embaixadores do Reino Unido, China, Rússia, França, Alemanha e Suíça - este último, representando os interesses dos Estados Unidos no Irã, já que Washington e Teerã não têm relações diplomáticas desde 1980. "O Irã está preparado a iniciar sérias negociações" com os países que propuseram o pacote, teria dito Larinjani, segundo a televisão estatal iraniana. Ao término da reunião, os membros da União Européia se recusaram a dar qualquer declaração imediata, alegando precisar estudar a oferta iraniana antes.Em Bruxelas, o chefe da política externa da União Européia, Javier Solana, disse que a oferta iraniana é "extensa" e que precisa de "uma análise cuidadosa e detalhada". Ele também afirmou que irá manter um "contato aberto" com Larijani. Nos Estado Unidos, o embaixador americano na ONU, John Bolton, disse que Washington "estudará com cuidado a proposta iraniana", mas está preparado para apoiar a adoção imediata de sanções caso a resposta de Teerã ao pacote de incentivos não seja positiva."Nós estamos preparados para agir com sanções econômicas caso a resposta não atinja os objetivos propostos pelos ministros de Exteriores dos membros permanentes do Conselho de Segurança, como combinamos anteriormente", completou Bolton.Crise sem desfechoO anúncio de Larinjani nesta terça-feira foi o último desenvolvimento de uma polêmica que já dura quase um ano entre países ocidentais e o Irã. Teerã insiste que seu programa nuclear tem fins pacíficos, enquanto os Estados Unidos e outras potências suspeitam que o Irã pretende construir um arsenal nuclear.No mês passado, o Conselho de Segurança da ONU deu como prazo o dia 31 de agosto para que Teerã suspenda suas atividades de enriquecimento de urânio. Caso não o faça, o país será submetido a sanções econômicas e políticas impostas pelo conselho.Segundo fontes iranianas próximas a Larinjani, Teerã ofereceu uma "nova fórmula" para resolver a disputa. "Irã deu uma resposta compreensiva com tudo o que foi dito pelo pacote do Ocidente. Além disso, o Irã, em sua resposta formal, fez algumas perguntas", disse uma das fontes.Ao mesmo tempo, no entanto, o Irã tem demonstrado não estar pronto para abandonar o enriquecimento de urânio - parte do processo de produção de armamentos nucleares - como precondição para as negociações. No mês passado, um importante legislador iraniano disse que o parlamento do país se preparava para debater uma retirada do Tratado de não-proliferação Nuclear caso o Conselho de Segurança adote uma resolução para forçar Teerã a suspender seu programa nuclear.Texto ampliado às 16h25

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.