EFE/EFRAÍN HERERA
EFE/EFRAÍN HERERA

Negociadores colombianos ficarão em conclave até chegarem a novo acordo de paz com Farc

Presidente Juan Manuel Santos defendeu que foi feita uma revisão ‘ponto por ponto’ das propostas para ‘defini-las e aproximar visões e opções de modificações, ajustes e definições em pontos críticos do pacto’

O Estado de S.Paulo

05 de novembro de 2016 | 19h23

BOGOTÁ - Os negociadores do governo da Colômbia ficarão em modo conclave até alcançarem um novo acordo de paz com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), depois da rejeição de um referendo aos termos previamente pactuados para superar um conflito de meio século, disse neste sábado, 5, o presidente Juan Manuel Santos.

"Dei instruções para que a equipe negociadora do governo trabalhe em modo conclave, em grupos temáticos simultâneos, sem se levantarem da mesa até alcançarem um acordo", declarou o líder em um discurso televisionado.

Santos fez o anúncio após receber do chefe negociador do governo, Humberto de la Calle, um relatório sobre as reuniões com a oposição para fazer mudanças e ajustes no acordo firmado em 26 de setembro com a guerrilha. O pacto foi rejeitado por uma estreita margem em um plebiscito realizado no dia 2 de outubro.

Depois do revés eleitoral, o presidente convocou encontros, finalizados na quinta-feira, para chegar a consensos com os representantes do "não" ao acordo, entre eles os ex-presidentes Álvaro Uribe, opositor de Santos, e Andrés Pastrana, assim como organizações políticas, de vítimas e pastores cristãos.

"Resultado desta detalhada e reflexiva tarefa de revisão e trabalho conjunto, foi possível consolidar as mais de 500 propostas em 57 eixos temáticos. Este árduo trabalho, compilado em um 'Documento de Propostas e Opções', permitirá que a discussão com as Farc seja mais produtiva e organizada", afirmou Santos.

O presidente defendeu que foi feita uma revisão "ponto por ponto" das propostas para "defini-las e aproximar visões e opções de modificações, ajustes e definições em pontos críticos do acordo".

Santos, que ganhou o prêmio Nobel da Paz deste ano, assegurou que serão alcançados "avanços significativos" em temas como a reforma rural integral e no "aperfeiçoamento" da Jurisdição Especial para a Paz, na qual serão acolhidos os atores do conflito sob um modelo de justiça transicional.

"É necessário agora concentrar todos os esforços nos pontos mais complexos para alcançar um novo acordo com as Farc no menor tempo possível", declarou o presidente.

O governo e as Farc negociaram durante quase quatro anos em Havana, para onde viajará neste sábado De la Calle e no domingo o ministro do Interior, Juan Fernando Cristo, para acelerar as negociações. / AFP

Tudo o que sabemos sobre:
ColômbiaFarcJuan Manuel Santos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.