Negociadores definem base para acordo político no Zimbábue

África do Sul confirma avanços, mas diz que não há prazo para fim das conversas sobre poder compartilhado

Agências internacionais,

17 de agosto de 2008 | 16h50

Líderes regionais africanos disseram neste domingo, 17, que os negociadores para a crise política no Zimbábue conseguiram as bases de um acordo para a partilha do poder entre o presidente Robert Mugabe e a oposição. Após encontro da cúpula da Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC, na sigla em inglês), o presidente sul-africano, Thabo Mbeki, afirmou que as autoridades africanas pediram para que as facções do Zimbábue assinem os acordos restantes e "concluam as negociações" com urgência.   Mbeki foi escolhido como mediador para as negociações da formação de um governo de coalizão entre Mugabe, que está na Presidência do Zimbábue desde 1980, e o Movimento para a Mudança Democrática (MDC). O sul-africano disse ainda que não é possível afirmar quando as conversas serão concluídas e que a cúpula não definiu prazo para a definição de um acordo.   O líder opositor Morgan Tsvangirai derrotou nas eleições realizadas nesse dia o presidente zimbabuano, Robert Mugabe, mas não obteve uma maioria direta de mais de 50% dos votos, o que levou a um segundo turno, do qual Tsvangirai se retirou devido aos ataques a seus seguidores por parte de milícias leais a Mugabe.   Segundo o secretário-geral do partido da oposição, Tendai Biti, o acordo para a partilha do poder deve ser alcançado em breve. Segundo ele, o fracasso das negociações não é uma opção.   Mbeki disse que as lideranças africanas acreditam que os partidos zimbabuanos devem definir quem participará do governo e que pode ser necessário reunir o novo Parlamento enquanto as conversas não forem concluídas. As negociações seguem a polêmica reeleição de Mugabe em junho, em um segundo turno no qual ele era o único candidato, já que Tsvangirai desistiu de participar devido aos ataques a seus seguidores. A votação foi condenada no mundo todo.

Tudo o que sabemos sobre:
Zimbábue

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.