Negroponte busca apoio da China para sanções contra o Irã

Conflito entre os governos chinês e taiuanês também faz parte da agenda do subsecretário de Estado americano

Efe,

17 de janeiro de 2008 | 03h32

As novas sanções contra o Irã e os conflitos entre os governos chinês e taiuanês fazem parte da agenda da visita à China do subsecretário de Estado americano, John Negroponte, informou nesta quinta-feira, 17, a imprensa chinesa. Negroponte se reuniu na quarta-feira com o primeiro-ministro chinês, Wen Jiabao. Eles discutiram os dois conflitos, em uma semana em que a Alemanha recebeu os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU para debater novas sanções contra o Irã. Wen se mostrou aberto a discutir qualquer assunto com Negroponte. "Achamos que esta é uma forma muito prática de discutir assuntos de interesse comum", disse Negroponte. Nas últimas semanas, a China recebeu as visitas do secretário de Defesa, Robert Gates, e do comandante das forças dos Estados Unidos no Pacífico, Timothy Keating. Os analistas chineses acham que a administração do presidente George W. Bush procura o apoio do seu país no conflito iraniano. "A administração Bush se encontra sob forte pressão, depois de a CIA publicar um relatório dizendo que não há provas de que o Irã esteja desenvolvendo armas nucleares. Por isso está buscando o apoio da China", disse Hua Liming, ex-embaixador chinês no Irã, ao jornal Chian Daily. Hua acredita, no entanto, que a China manterá a sua postura de não favorecer o uso da força, apesar de concordar com os EUA sobre a necessidade de evitar a proliferação nuclear. As autoridades chinesas que se reuniram na quarta-feira com Negroponte, entre eles o ministro de Relações Exteriores, Yang Jiechi, expressaram sua preocupação pelo aumento da tensão com Taiwan. Os EUA reconhecem Taiwan como parte da China. Mas mantêm um acordo com o governo taiuanês, que garante apoio em caso de um ataque militar chinês. Pequim vem acenando com a possibilidade de uma intervenção nos últimos anos, devido à postura independentista de Taipé.

Tudo o que sabemos sobre:
ChinaEUAIrã

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.