Negroponte diz que dará atenção especial à América Latina

John D. Negroponte, diplomata com mais de 40 anos de experiência, anunciou hoje que se for confirmado como subsecretário de Estado dará uma forte contribuição à política externa dos Estados Unidos em assuntos relacionados à América Latina e Ásia."Essas são as regiões do mundo onde passei a maior parte de minha carreira", disse Negroponte no início de sua audiência de confirmação diante do Comitê de Relações Exteriores do Senado. Ele foi embaixador no México, Honduras, Iraque, ONU e Filipinas.Participando de audiências como chefe desses serviços, Negroponte mencionava com freqüência a Venezuela como o país que requeria maior atenção dos Estados Unidos. Hoje, declarou que o presidente Hugo Chávez "não é uma força construtiva" para a democracia. "Seu comportamento está ameaçando a democracia na região", disse em referência ao presidente venezuelano.Em sua mesma intervenção sobre Chávez, Negroponte fez uma firme defesa do presidente colombiano, Alvaro Uribe. "A situação na Colômbia é vital para nossos interesses", disse. "É importante que continuemos com nosso apoio ao governo da Colômbia em seus esforços para controlar o país e finalmente acabar com a atividade guerrilheira", afirmou.Negroponte disse que o último ciclo de 16 eleições em 14 meses no Hemisfério Ocidental mostrou "uma tendência (à esquerda) que deve nos preocupar e que é uma espécie de frustração dos povos latino-americanos com a democracia"."Creio que ele (Chávez) não é uma força construtiva no hemisfério", disse. "Creio que países como a Bolívia, entre outros, estão sob a influência do senhor Chávez, que vem tentando exportar seu populismo radical".Mas para Negroponte, apesar dos "esforços" de Chávez, "a democracia tem uma boa aceitação" na região, como demonstrou a maioria dos resultados eleitorais, incluindo México e Peru, onde, segundo ele, candidatos abertamente populistas foram derrotados.A audiência foi interrompida em três ocasiões distintas por mulheres que o acusaram de violações dos direitos humanos e que foram retiradas pela polícia do Capitólio. "Este homem não nos tirará do Iraque, é um assassino", gritou uma das manifestantes. "Violador dos direitos humanos", bradou uma outra."Senador Biden, por favor, não confirme este homem", disse uma terceira dirigindo-se a Joseph Biden, presidente do comitê.Negroponte, de 67 anos, foi indicado pelo presidente George W. Bush para ocupar o cargo deixado há sete meses por Robert Zoellick, que aceitou um emprego no setor privado. Se confirmado, Negroponte será o segundo no Departamento de Estado, atrás apenas da secretária Condoleezza Rice.Britânico de nascimento e filho de um magnata naval grego, Negroponte era até agora coordenador de todos os serviços de espionagem dos Estados Unidos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.