''Neocon mirim'' surpreende a direita

Jonathan Krohn, de 14 anos, ganha notoriedade política ao defender os princípios conservadores americanos

Renata Miranda, O Estadao de S.Paulo

28 de março de 2009 | 00h00

Jonathan Krohn, de 14 anos, não é o típico adolescente americano. Enquanto a maioria dos garotos de sua idade está mais preocupada em ver TV e jogar videogames, o "menino prodígio" da cidade de Duluth, no Estado da Geórgia, passa suas tardes comentando política e discutindo o futuro do movimento conservador nos EUA. "Tenho dez minutos para falar porque tenho de entrar ao vivo em um programa de rádio daqui a pouco, então pode começar a perguntar agora", avisa Krohn à reportagem de o Estado com jeito de quem já está habituado à agenda cheia.A entrevista foi feita pelo celular da mãe, já que os pais do adolescente não deixam que ele tenha seu próprio telefone. A fama instantânea começou em fevereiro, quando ele foi convidado para ser um dos palestrantes da Conferência de Ação Política Conservadora (CPAC, na sigla em inglês), em Washington. Durante três minutos, o jovem falou sobre seu recém-publicado livro, Define Conservatism ("Defina o Conservadorismo", em tradução livre), de 86 páginas, que escreveu durante as férias de verão. Krohn não apenas gastou seu tempo livre na obra, mas também pagou de seu próprio bolso pela publicação - algo em torno de US$ 6 mil. O dinheiro foi economizado pelo garoto ao longo de sua carreira como ator mirim: em 2006, ele foi eleito "A Criança Mais Talentosa de Atlanta" e já atuou em diversas peças de teatro na cidade.Usando terno e gravata e deixando o aparelho nos dentes aparecer, o jovem falou com incrível desembaraço sobre os princípios do movimento durante a conferência. "Jonathan discursou com propriedade sobre o que acredita e foi bastante aplaudido", disse a diretora da CPAC, Lisa de Pasquale. "É estimulante ver alguém tão jovem entusiasmado com política."A diretora da CPAC explicou que a decisão de escalar Krohn veio do próprio jovem, que ligou pedindo um espaço para falar. "Jonathan tem uma incrível oportunidade de poder tentar atrair adolescentes da idade dele para a política", disse Lisa. "Tenho certeza de que ainda ouviremos falar muito dele."Após seu discurso consagrador, Krohn foi catapultado para o centro das discussões sobre o futuro do Partido Republicano. Seria Krohn parte da aguardada reformulação de líderes conservadores? "Sou apenas um líder dentro do movimento", disse. De acordo com o jovem, "quando crescer" seu maior sonho é continuar fazendo política, mas não como um integrante do governo, em Washington, e sim como comentarista. "Prefiro rir dos políticos do que ser motivo de piada."A preparação para quando esse dia chegar, porém, já está em curso. Krohn tem aulas semanais de árabe porque, de acordo com ele, o Oriente Médio tem uma grande importância no cenário mundial atual. "Tenho de estar preparado para situações nas quais terei de conversar com nossos aliados", explicou. "Se daqui a alguns anos estiver em Washington em uma festa e encontrar o primeiro-ministro do Iraque, é natural que eu fale com ele em seu idioma porque, ao contrário do que muitos pensam, os iraquianos são importantes aliados dos EUA e não inimigos." Além das aulas de árabe, Krohn também estuda latim. Os hábitos sexagenários do garoto, no entanto, não param por aí. Seu esporte favorito é o golfe e engana-se quem pensa que super-heróis e atletas de futebol americano fazem parte da lista de seus ídolos. "Um de meus heróis é William F. Buckley", disse ele, em referência ao escritor conservador que morreu no ano passado aos 83 anos.VALORESKrohn divide em quatro pontos os valores conservadores: respeito pela Constituição, pela vida, menos intervenção do governo na sociedade e responsabilidade pessoal. "Muitos falam que são conservadores, mas não têm ideia do que estão falando", disse o jovem, que tem como hobby entrar diariamente em blogs de política.As críticas de Krohn não são direcionadas apenas aos integrantes de seu próprio movimento. O garoto também tem uma opinião própria sobre o presidente Barack Obama, do Partido Democrata. "Obama é o líder americano mais de esquerda do meu tempo", disse o jovem conservador, do alto de seus 14 anos.Questionado se não está perdendo sua infância ao discutir política, Krohn é direto na resposta: "Não acho que esteja desperdiçando minha juventude ao trabalhar naquilo que acredito", disse. "Conheço muitos adolescentes da minha idade que querem fazer algo para mudar o mundo, mas acham que devem esperar os 18 anos para tomar uma atitude. Eu não preciso esperar a maioridade, estou fazendo a diferença agora."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.