Neozelandeses confiam mais nas prostitutas que nos políticos

Pesquisa foi realizada por uma revista tais profissionais no final da lista

Efe,

29 de junho de 2010 | 02h37

SIDNEI, AUSTRÁLIA - Os neozelandeses confiam mais nas prostitutas que nos políticos, a segunda profissão menos valorizada no país da Oceania, segundo pesquisa publicada nesta terça-feira, 29, pela imprensa local.

No entanto, os profissionais com pior reputação em uma lista de 40 profissões são os de telemarketing, que entram em contato pelo telefone celular ou pelo número do trabalho, sem explicar como conseguiram o número.

A pesquisa, realizada anualmente pela revista Reader's Digest, coloca os políticos na 39ª posição, enquanto as profissionais do sexo estão na 38ª.

Também estão na parte final da lista os conselheiros financeiros, diretores, motoristas de guindaste, jornalistas, agentes imobiliários e vendedores de carros.

Os bombeiros voltaram a ocupar a primeira posição entre os setores de melhor reputação, seguidos pelos profissionais responsáveis pelas ambulâncias, pilotos, enfermeiras e médicos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.