Nepal: bomba mata 5, presidente do Tribunal escapa

Quatro membros da segurança do presidente do Tribunal de Justiça do Nepal, Keshav Prasad Upadhyay, e um oficial de justiça são mortos em ataque de um suposto rebelde maoísta no oeste do país. Apesar das cinco vítimas fatais, o magistrado saiu ileso do atentado. Upadhyay estava participando de uma inspeção no oeste do Nepal ontem quando foi juntamente com sua equipe atacado em uma emboscada com bombas e atiradores na localidade de Painsathhi no distrito de Surkhet. Um porta-voz do Ministério de Interior assegurou que Upadhyay está seguro e de volta à sua casa. Ele também disse que Baldev Dhital, um oficial da corte de apelações de Surkhet, que fazia parte da equipe do presidente do Tribunal, e outros quatro seguranças foram as únicas vítimas.Outro membro da equipe, um juiz da mesma corte, Purushottam Parajulia e dois guarda-costas pessoas ficaram feridos no mesmo ataque e estão sob tratamento em um hospital local. O porta-voz do ministro do Interior, Gopendra Bahadur Pandey, culpou os rebeldes maoístas, que lutam contra a monarquia constitucional - que já tem 10 anos -, pelo atentado. Não houve imediata resposta do Partido Comunista do Nepal (maoísta) sobre o ataque, o primeiro a um oficial desde que o conflito teve início há cinco anos. O grupo, considerado ideologicamente próximo ao das guerrilhas Shing Path do Peru, lançou uma campanha armada para tentar ser a única república comunista no reino Hindu, que está entre as nações mais pobres da terra. Mais de 1,5 mil pessoas foram mortas no conflito que teve início em 1996.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.