Narendra Shrestha/EFE
Narendra Shrestha/EFE

Nepal encontra partes de  helicóptero dos EUA que desapareceu depois de terremoto

Destroços estão a cerca de 12 quilômetros de vilarejo onde aeronave entregava suprimentos na terça-feira; ministro da Defesa nepalês diz que três corpos carbonizados também foram localizados

O Estado de S. Paulo

15 de maio de 2015 | 09h08

KATMANDU - O Exército nepalês localizou nesta sexta-feira, 15, os destroços de um helicóptero da Marinha dos Estados Unidos que estava desaparecido desde a última terça-feira, quando participava dos trabalhos de resgate das vítimas do terremoto no Nepal. Em meio aos destroços da aeronave, também foram encontrados três vítimas, informou o ministro da Defesa do país, Ishwori Prasad Paudyal.

Os corpos encontrados junto do helicóptero UH-1Y Huey - que transportava seis americanos e dois nepaleses - estavam carbonizados, disse o ministro Paudyal. "A busca pelos outros continua. Como o helicóptero ficou partido em pedaços e totalmente destruído, não há chance de sobreviventes", afirmou o ministro, com base em informações das Forças Armadas do Nepal.


O coronel Steve Warren, porta-voz do pentágono, afirmou na manhã desta sexta-feira que os destroços do helicóptero foram identificados por soldados americanos a cerca de 12 quilômetros do vilarejo de Charikot. Quatro paraquedistas e um oficial treinado para operações de combate estão na região tentado chegar até o local da queda, disse Warren.

O Nepal também colabora na operação para chegar aos destroços do helicóptero. "Mobilizamos uma equipe que está tentando chegar, tanto por terra como por ar, ao local da colisão", situado a cerca de 3,4 mil metros de altitude, disse o tenente-general nepalês Binod Basnet.

A aeronave americana desapareceu na noite de terça-feira, "quando realizava trabalhos de assistência humanitária em apoio às vítimas do terremoto", explicou em comunicado a chefia da missão de ajuda, batizada como "Sahayogi Haat". / EFE e REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
NepalMarinha dos EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.