Nepal proíbe protestos ao redor da embaixada chinesa

Medida visa evitar incidentes às vésperas do aniversário de 50 anos da revolta tibetana

EFE

28 de fevereiro de 2009 | 13h43

As autoridades nepalesas proibiram manifestações ao redor da seção consular da embaixada chinesa, ao passo que a Polícia intensificou as medidas de segurança para evitar incidentes às vésperas do 50º aniversário da revolta tibetana, informou hoje uma fonte da corporação.   Veja também: Monge tibetano ateia fogo ao próprio corpo em protesto   "Foi declarada zona proibida toda área a um raio de 200 metros da seção de vistos da embaixada chinesa", disse o chefe da Polícia de Katmandu, Nabaraj Silwal.   Silwal disse que a restrição, que entrou em vigor ontem, proíbe manifestações e a colocação de cartazes. Só ontem, 27 exilados tibetanos foram detidos nas proximidades da representação diplomática chinesa, dos quais 18 já foram soltos, enquanto os outros nove permanecem sob custódia até a verficação de de seu status legal no Nepal, acrescentou a fonte.   No ano passado, monges budistas, apoiados pela população civil, promoveram protestos para lembrar o aniversário da fracassada rebelião de 1959 no Tibete.

Tudo o que sabemos sobre:
tibetevhinanepal

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.