Stringer/ANSA/AFP
Stringer/ANSA/AFP

Neta de Mussolini ganha segundo mandato em Roma

Rachele Mussolini, do partido de extrema direita Irmãos da Itália, foi a vereadora mais votada da cidade

Redação, O Estado de S.Paulo

06 de outubro de 2021 | 20h00

ROMA - Rachele Mussolini, neta do líder fascista italiano Benito Mussolini, ganhou um segundo mandato como vereadora em Roma após receber uma votação expressiva nas eleições de 3 a 4 de outubro. 

Filiada ao partido de extrema direita Irmãos da Itália, Rachele conquistou mais de 8.200 votos, tornando-se a candidata mais votada das eleições municipais. Em 2016, quando foi eleita pela primeira vez, Rachele somou apenas 657 votos. 

Após a vitória, a vereadora afirmou que seu sucesso se deve ao trabalho árduo, não à história de sua família.“No passado, eu era entrevistada apenas por causa do meu sobrenome. Durante meu último mandato, eles começaram a perguntar sobre as iniciativas que promovi na Câmara Municipal. Trabalhei muito”, disse ela à edição de quarta-feira do jornal La Repubblica.

"Aprendi a conviver com meu sobrenome desde criança", disse Rochele. "Na escola eles costumavam apontar para mim, mas então Rachele apareceu e a pessoa (que eu sou) prevaleceu sobre o sobrenome, por mais pesado que ele seja."

Questionada sobre seus pontos de vista sobre o fascismo, ela disse que era contra sua glorificação, mas recusou qualquer comentário adicional, dizendo: "Para lidar com este assunto, precisaríamos conversar até amanhã de manhã."

As quatro maiores cidades da Itália - Roma, Milão, Nápoles e Turim - e mais de mil centros menores realizaram eleições municipais no domingo e na segunda-feira, com um segundo turno previsto para dentro de duas semanas. 

Candidatos da centro-esquerda já venceram em Milão, Nápoles e Bolonha. O bloco de direita, que inclui o partido de Rachele Mussolini, espera que seu candidato à prefeitura, Enrico Michetti, venca o esquerdista Roberto Gualtieri.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.