Netanyahu acusa Abbas por atentado e promete reagir com mão de ferro

Atentado contra sinagoga em Jerusalém, que deixou quatro mortos e oito feridos, foi o mais violento praticado na cidade desde 2008

O Estado de S. Paulo

18 Novembro 2014 | 09h19

 JERUSALÉM -  O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, afirmou que responderá "com punho de ferro" ao ataque cometido nesta terça-feira, 18, em uma sinagoga de Jerusalém Ocidental que deixou quatro israelenses mortos.

O atentado foi o mais violento praticado na cidade desde 2008. Em um breve comunicado de imprensa, o chefe do governo israelense acusou o presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmoud Abbas, e o movimento islamita Hamas de provocar a agressão.

"Isso é o resultado das provocações lideradas pelo Hamas e Abu Mazen (Abbas), provocações que a comunidade internacional ignora de forma irresponsável", disse Netanyahu antes de iniciar uma reunião com seu conselho de Segurança. "Responderemos com punho de ferro a este brutal assassinato de judeus que tinham ido rezar e se depararam com deploráveis assassinos."

Pelo menos seis pessoas, entre elas os dois supostos agressores, morreram hoje em um tiroteio em uma sinagoga e yeshiva (seminário rabínico) no bairro ortodoxo de Har Nof, em Jerusalém Ocidental, informou a polícia local.

Segundo a "Estrela de Davi Vermelha", outras oito pessoas ficaram feridas -algumas delas em estado grave- quando dois homens armados com uma faca, um machado e uma pistola entraram na sinagoga e atacaram em dois lugares diferentes os presentes. Os dois agressores foram baleados e mortos pela polícia. / EFE

Mais conteúdo sobre:
Israelpalestinos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.