Netanyahu ameaça ampliar ataque a Gaza

Premiê de Israel diz que seu país está preparado para intensificar reação; no fim de semana, 6 palestinos foram mortos

JERUSALÉM, O Estado de S.Paulo

12 de novembro de 2012 | 02h04

O primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, afirmou que seu país está pronto para atuar com mais força contra os militantes da Faixa de Gaza se eles não pararem de atacar. As hostilidades na fronteira aumentaram rapidamente durante o fim de semana, com tiros de alerta disparados por Gaza e ataques israelenses.

No sábado, seis palestinos foram mortos depois que um foguete disparado de Gaza deixou feridos quatro soldados israelenses que patrulhavam a fronteira entre os territórios.

Num primeiro momento, a resposta de Israel ao ataque - com o uso de artilharia terrestre - matou quatro civis palestinos. Dois militantes de Gaza foram mortos em ataques aéreos das forças israelenses. Pelo menos 32 palestinos ficaram feridos.

"O mundo precisa entender que Israel não ficará sentado enquanto são feitas tentativas de nos atacar", disse Netanyahu. "Estamos preparados para ampliar nossa resposta."

Síria. Tropas de Israel fizeram disparos de alerta contra a Síria ontem, afirmou o Exército israelense em um comunicado. Segundo a rádio pública do país, foram os primeiros disparos de Israel contra o território sírio desde a Guerra Árabe-Israelense de 1973. O ataque também representa a primeira intervenção de Israel na guerra civil síria.

"Um projétil de morteiro atingiu um posto israelense nas Colinas de Golã adjacente à fronteira entre Israel e Síria, como parte do conflito interno da Síria. Em resposta, soldados israelenses dispararam tiros de alerta em direção a áreas sírias", disse a tenente-coronel Avital Leibovich, porta-voz do Exército de Israel. / AFP. AP e REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
Paz inatingível

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.