Netanyahu assegura a Mitchell que está comprometido com a paz

Premiê israelense recebe enviado dos EUA para discutir negociações com palestinos

Efe

29 de setembro de 2010 | 12h11

JERUSALÉM - O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, assegurou nesta quarta-feira, 29, ao enviado especial dos EUA para o Oriente Médio, George Mitchell, que tanto ele como seu governo estão comprometidos em alcançar um acordo de paz com os palestinos.

 

Veja também:

especialInfográfico: As fronteiras da guerra no Oriente Médio

especialLinha do tempo Idas e vindas das negociações

forum Enquete: Qual a melhor solução para o conflito?

 

Ambos se reuniram na cidade de Cesárea, ao norte de Tel Aviv, depois de o ministro de Exteriores israelense, Avigdor Lieberman, afirmar na Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) que a paz com os palestinos poderia demorar "décadas", e propôs um novo traçado das fronteiras na região.

 

Segundo a imprensa local, Netanyahu reconheceu a Mitchell que há inúmeras dúvidas e obstáculos para se chegar a paz, mas que definitivamente esta não poderá ser alcançada se não se tentar. "Existem muitos obstáculos no caminho para a paz. Todo mundo entende isso, mas só há uma maneira de assegurar que não se conseguirá, e é não tentando", ressaltou.

 

Por sua vez, Mitchell disse que o presidente americano, Barack Obama, e a secretária de Estado, Hillary Clinton, tinham solicitado a Netanyahu que comparecesse à reunião desta quarta com uma clara mensagem para os povos israelense e palestino de que segue comprometido com a fórmula de um acordo de paz global em Oriente Médio com todas as nações da região.

 

Leia mais:

linkMinistros pedem demissão de Lieberman

 

As negociações diretas de paz entre israelenses e palestinos foram retomadas no início do mês após quase 20 meses de paralisação. Netanyahu e o presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, se reúnem frequentemente para negociar assuntos como assentamentos judaicos, a questão dos refugiados palestinos e as fronteiras de um futuro Estado palestino.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.