Netanyahu cogita colocar acordo de paz em plebiscito

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, declarou hoje que cogita colocar em plebiscito um acordo de paz com os palestinos. "Se chegarmos a um acordo, é claro que o levaremos ao povo para que decida (sobre sua implementação)", disse Netanyahu aos jornalistas durante uma visita às cidades de Sderot e Ashkelon, no sul israelense, alvos constantes de mísseis disparados da Faixa de Gaza.

AE, Agência Estado

21 de setembro de 2010 | 19h02

Israel e os palestinos iniciaram uma aguardada conversação direta de paz no dia 2 de setembro. Líderes dos dois lados prometeram buscar a paz no prazo de um ano. Netanyahu indicou que se a meta for alcançada vai levar o acordo para aprovação do povo israelense. O parlamentar Ofir Akunis, do Likud, o partido de Netanyahu, apresentou um esboço para o referendo.

Mas, primeiramente, é preciso negociar o iminente fim do congelamento de novas construções de assentamentos judaicos. O presidente palestino, Mahmoud Abbas, prometeu encerrar as conversações se o congelamento não for prorrogado, enquanto Netanyahu até agora se recusou a estender a interrupção de dez meses. "Dissemos que não haveria precondições (para iniciar as conversações), então você não pode vir após cinco minutos impondo condições", disse Netanyahu, referindo-se à ameaça de Abbas. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
plebiscitopazacordoIsraelpalestinos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.