Netanyahu condiciona votação sobre moratória a promessas americanas

Premiê quer receber garantias dos EUA antes de levar proposta à votação do governo

Efe

16 de novembro de 2010 | 12h41

JERUSALÉM - O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, levará à votação uma nova moratória para a colonização na Cisjordânia quando o EUA enviarem por escrito uma garantia de que cumprirão o acordo estabelecido entre as duas nações. As declarações foram dadas nesta terça-feira, 16, pelo vice-primeiro-ministro, Dan Meridor, e pelo ministro das Finanças, Yuval Steinitz.

 

Veja também:

especialInfográfico: As fronteiras da guerra no Oriente Médio

forum Enquete: Qual a melhor solução para o conflito?

especial Linha do tempo: Idas e vindas das negociações de paz

 

Especulava-se com que a proposta de moratória fosse levada ao gabinete político e de segurança nesta quarta-feira. No entanto, ela foi travada pela incerteza de vários ministros do partido do premiê, o Likud, sobre a disposição dos Estados Unidos em cumprir as promessas e pelo anúncio do partido ultra-ortodoxo Shas de que seu líder espiritual, o rabino Ovadia Yosef, só tomará uma decisão depois que ler o texto do acordo. "Ainda não temos uma proposta final por escrito que possa ser debatida", afirmou Steinitz à rádio militar israelense.

 

Por sua vez, Nir Hefetz, assessor de Netanyahu, destacou que "leva tempo para escrever" sobre os "entendimentos" alcançados entre a secretária de Estado americana, Hillary Clinton, e o premiê israelense em sua última viagem aos EUA, por isso que "é preciso esperar".

 

Já Meridor ressaltou os quatro compromissos que Israel espera em troca da nova moratória, que duraria três meses e só se aplicaria à construção em colônias judaicas na Cisjordânia.

 

Washinton teria prometido que esse seria o último pedido para Israel interromper a colonização, vetar as tentativas palestinas de que o Conselho de Segurança da ONU reconheça formalmente um Estado palestino e conceder um pacote de ajuda militar e de garantias das fronteiras.

 

Por sua vez, os EUA esperam que uma nova moratória permita o reatamento das negociações de paz entre israelenses e palestinos, que foram iniciadas em 2 de setembro em Washington, mas foram interrompidas em 26 desse mesmo mês.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.