AFP PHOTO / RONEN ZVULUN AND OZAN KOSE
AFP PHOTO / RONEN ZVULUN AND OZAN KOSE

Netanyahu critica líder turco por reação ao confronto entre palestinos e israelenses em Gaza

Após Erdogan qualificar como ‘massacre’ ação na fronteira, premiê de Israel diz que não receberá lições de ‘quem bombardeia civis’

O Estado de S.Paulo

01 Abril 2018 | 18h59

JERUSALÉM - O primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, rejeitou neste domingo as críticas do presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, que chamou de "massacre" os incidentes de sexta-feira, que deixaram 15 palestinos mortos na fronteira com a Faixa de Gaza. O premiê israelense disse que não receberá lições de "quem bombardeia civis". "O Exército mais moral do mundo não receberá lições daqueles que, durante anos, bombardearam a população civil de forma indiscriminada", escreveu Netanyahu no Twitter.

+ Israel rejeita apelos para investigar mortes em Gaza

+ Israel ameaça aumentar resposta se protestos violentos em Gaza continuarem

A irritação do premiê israelense ocorreu depois que Erdogan, no sábado, qualificou como "ataque desumano" e "massacre" a resposta do Exército de Israel contra os protestos organizados no lado palestino da fronteira de Gaza – além de 15 mortos, 1,4 mil ficaram feridos, 35 por disparos de armas de fogo.

+ ONU teme que tensão em Gaza possa piorar nos próximos dias

+ Explosão contra comboio do premiê palestino deixa 7 feridos em Gaza

"Não ouvi uma reprovação qualquer merecida ao massacre israelense em Gaza daqueles que criticaram a operação (da Turquia) em Afrin", disse Erdogan, em referência à ofensiva militar turca, no início do ano, no distrito curdo no norte da Síria. "Netanyahu é um terrorista."

O premiê respondeu neste domingo: "Erdogan não está acostumado a ser contestado. Quem ocupa o norte do Chipre, invade território curdo e massacra a população em Afrin não deveria nos dar lição de valores e ética", declarou Netanyahu, que provocou o líder turco. "Aparentemente, é assim que Ancara celebra o dia 1.º de abril."

Flotilha

A tensão entre Erdogan e Netanyahu é antiga. Em maio de 2010, uma flotilha internacional partiu para Gaza, território palestino controlado pelo Hamas e isolado por Israel. Ela era liderada por um barco turco, o Mavi Marmara. 

Israel atacou a flotilha, atingindo o navio e matando nove turcos. Em seguida, as relações diplomáticas entre os dois países foram cortadas. Desde 2016, após a assinatura de um acordo de reconciliação, as relações entre Turquia e Israel vinham melhorando, até o incidente de sexta-feira, na Faixa de Gaza. / AP, REUTERS e NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.