EFE/Ahikam Seri / Pool
EFE/Ahikam Seri / Pool

Netanyahu diz que acordo nuclear com o Irã é um erro de proporções históricas

Além do primeiro-ministro israelense, outras autoridades do governo também criticaram pacto de potências e Teerã

O Estado de S. Paulo

14 de julho de 2015 | 11h14

JERUSALÉM - O primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, classificou como "um erro de proporções históricas" o acordo nuclear anunciado nesta terça-feira, 14, entre o Irã e o P5+1 (Estados Unidos, Rússia, França, China, Grã-Bretanha, mais Alemanha) e disse que fará de tudo para impedir que a República Islâmica obtenha armas atômicas.

"O Irã terá um caminho livre para desenvolver armas nucleares e muitas das restrições que o impediam serão suspensas. Esse é o resultado quando se deseja um acordo a todo custo", disse Netanyahu através de comunicado divulgado antes do início de uma reunião com o ministro de Relações Exteriores da Holanda, Bert Koenders.

"Fizeram grandes concessões em todos os temas que deviam impedir que o Irã consiga armas nucleares. Adicionalmente, o Irã receberá bilhões de dólares para alimentar sua máquina terrorista e sua agressividade e expansão pelo Oriente Médio", completou.

O primeiro-ministro reiterou que um acordo não pode ser evitado quando os negociadores estão "dispostos a fazer concessões a quem, mesmo durante as conversas, gritava 'morte aos EUA'", disse Netanyahu, em referência a uma manifestação realizada em Teerã no último fim de semana na qual foram queimadas bandeiras americanas e israelenses.

Sobre os próximos passos de seu governo, Netanyahu disse que seu "compromisso" de impedir que o Irã tenha capacidade de fabricar armas nucleares "segue em vigor".

O ex-ministro das Relações Exteriores de Israel Avigdor Lieberman classificou o acordo desta terça-feira como "um dia negro para todo o mundo livre". Já o ministro de Ciência e Tecnologia, Dani Danon, afirmou que o pacto entre o P5+1 e o Irã é como "dar um fósforo a um piromaníaco".

A vice-ministra de Relações Exteriores, Tzipi Hotovely, afirmou que o acordo significa "uma capitulação de proporções históricas perante o eixo do mal dirigido pelo Irã".

"As consequências deste acordo no futuro próximo são muito graves. O Irã recebeu um respaldo para continuar expandindo a influência de seus aliados terroristas pela região", acrescentou Tzipi em comunicado. / EFE

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelIrãP5+1

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.