Bernat Armangue/Reuters
Bernat Armangue/Reuters

Netanyahu elogia nova postura americana em negociações de paz

EUA desistem de pressionar Israel por moratória em assentamentos e apostam em diálogo indireto

estadão.com.br,

13 de dezembro de 2010 | 10h52

TEL AVIV - O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, elogiou nesta segunda-feira a decisão americana de desistir de pressionar por um novo congelamento nos assentamentos judaicos na Cisjordânia e tentar resolver as questões centrais do processo de paz por meio de negociações indiretas.

Veja também:

especialInfográfico: As fronteiras da guerra no Oriente Médio

forum Enquete: Qual a melhor solução para o conflito?

especial Linha do tempo: Idas e vindas das negociações de paz

Em um discurso em um fórum econômico, Netanyahu disse que a decisão é bem vinda. "É bom para Israel e para o processo de paz.", afirmou. O premiê deve se encontrar ainda hoje com o enviado especial da Casa Branca para o Oriente Médio, George Mitchell.

"Para alcançar a paz, temos de discutir as questões que realmente a atrasam. Aceito o fato de que iremos agora discutir estas questões", disse Netanyahu.

Na sexta-feira, a secretária de Estado americana, Hillary Clinton, anunciou que Washington retornaria às negociações indiretas, com ênfase nas questões centrais do conflito. As principais delas são as fronteiras, os assentamentos, o status de Jerusalém e os refugiados palestinos.

Os EUA desistiram na semana passada de tentar convencer Israel a um novo congelamento nos assentamentos na Cisjordânia. Hillary chegou a oferecer a Netanyahu benefícios militares e diplomáticos em troca de uma moratória de dois meses, mas o gabinete de Netanyahu não aceitou.

Os palestinos exigiam a paralisação da construção dos assentamentos para voltar a mesa de negociações. As conversas diretas entre israelenses e palestinos foram retomadas em setembro, mas fracassaram três semanas depois, após o fim de uma moratória de dez meses.

Com Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.