Baz Ratner/Arquivo/Reuters
Baz Ratner/Arquivo/Reuters

Netanyahu evita crise e suspende programa de segregar palestinos e israelenses em ônibus

Projeto piloto do ministro da Defesa duraria três semanas, mas foi considerado pelo primeiro-ministro israelense como 'inaceitável'

O Estado de S. Paulo

20 de maio de 2015 | 09h13


TEL-AVIV - O primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, cancelou nesta quarta-feira, 20, um plano piloto que previa a segregação de palestinos e israelenses em ônibus da Cisjordânia - decisão que evita a primeira crise de seu novo governo, após diversas críticas.

A proposta era do ministro da Defesa, Moshe Ya'alon e foi classificada por Netanyahu de "inaceitável", por isso os dois decidiram congelar o plano.

Ya'alon havia proposto um programa piloto de três meses após repetidas queixas de judeus que utilizam o transporte público dizendo que os trabalhadores palestinos ameaçam a segurança e muitas vezes assediam as israelenses. Milhares de palestinos saem da Cisjordânia com autorizações especiais para trabalhar em Israel.

De acordo com o projeto, os palestinos teriam que voltar para a Cisjordânia pelo mesmo posto de controle que entram no país e não poderiam retornar nos mesmos ônibus que os israelenses.

Diversos críticos protestaram contra o plano, dizendo que o programa é racista e que iria prejudicar a imagem de Israel ao redor do mundo. "A separação entre palestinos e judeus no transporte público é uma humilhação desnecessária e uma mancha na face do país e de seus cidadãos", disse o líder da oposição, Isaac Herzog. "Ele acrescenta combustível desnecessário para a fogueira de ódio contra Israel no mundo", concluiu. /AP

Tudo o que sabemos sobre:
Israelsegregaçãopalestinos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.