Ronen Zvulun/Pool Photo via AP
Ronen Zvulun/Pool Photo via AP

Netanyahu pediu a Obama em 2014 que convencesse Egito a dar terra a palestinos, diz jornal

Gabinete do premiê negou a informação publicada pelo ‘Haaretz’; na época, Washington argumentou que o Cairo e os palestinos não estavam dispostos a aceitar a ideia

O Estado de S.Paulo

11 Janeiro 2018 | 14h35

JERUSALÉM - O primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, pediu em 2014 ao então presidente dos EUA, Barack Obama, que convencesse o Egito a dar parte do Sinai para o futuro Estado palestino, e anexar a Israel grande parte da Cisjordânia, revelou nesta quinta-feira, 11, o jornal israelense Haaretz.

+ Em gravação, filho de Netanyahu fala sobre prostitutas e acordo de gás comprometedor

A publicação cita quatro fontes oficiais da época em Washington, que falaram sob condição de anonimato. O escritório de Netanyahu negou a informação, que coincide com outras publicadas nos últimos meses sobre essa possibilidade e o fato de estar no plano de paz que vem sendo preparado pelo governo do presidente americano, Donald Trump.

+ Israelense é morto em assentamento na Cisjordânia, diz Exército

A ideia que Netanyahu teria sugerido a Obama e ao secretário de Estado, John Kerry, em várias ocasiões é de que os EUA convencessem o presidente egípcio, Abdel Fattah al-Sissi, a doar parte da sua terra no norte da península deserta, que se juntaria à Faixa de Gaza para "compensar" a perda de território na Cisjordânia, cujas colônias judaicas passariam a fazer parte de Israel.

Washington, entretanto, concluiu que o Cairo e os palestinos não estavam dispostos a aceitar essa solução, segundo o Haaretz.

Em dezembro, o jornal americano The New York Times publicou detalhes do plano de paz que está sendo planejado pela Casa Branca, e apontou que a Arábia Saudita teria apresentado essa possibilidade ao líder palestino, Mahmoud Abbas. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.