Netanyahu pressiona por ataque ao Irã

Segundo jornais de Israel e do Ocidente, cresce debate sobre ação contra reatores de Teerã

JERUSALÉM, O Estado de S.Paulo

03 de novembro de 2011 | 03h02

O primeiro-ministro de Israel, Binyamin "Bibi" Netanyahu, está tentando persuadir seu gabinete a recorrer à força militar para tentar frear o programa nuclear iraniano. A informação foi revelada à agência Associated Press por uma fonte que pediu anonimato.

Ontem, o jornal britânico The Guardian noticiou que Londres se prepara para enviar navios de guerra ao Golfo Pérsico. Eles seriam usados para dar apoio a uma ofensiva contra Teerã.

A discussão em Israel ocorre dias após o país ter testado com sucesso um míssil capaz de atingir com carga nuclear o território iraniano. Não está claro se o governo israelense de fato está considerando a possibilidade de atacar o Irã ou se as discussões buscam aumentar a pressão sobre potências internacionais.

No fim do mês, uma reunião da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) deverá discutir o programa nuclear de Teerã, debatendo a necessidade de medidas adicionais. Segundo o jornal britânico The Telegraph, as novas evidências encontradas pela entidade levarão os países ocidentais à conclusão de que o Irã desenvolve um programa atômico militar.

Por várias vezes, líderes de Israel teriam levantado a possibilidade de dar uma resposta militar à ameaça nuclear iraniana. Analistas duvidavam da capacidade de Israel conseguir destruir totalmente o programa nuclear iraniano - pelo menos, até antes de o país testar com sucesso seu míssil mais moderno, o Jericó 3.

A autoridade israelense afirmou à AP que o debate sobre um ataque ao Irã chegou agora "às mais altas instâncias" do governo. Segundo a imprensa de Israel, tanto Netanyahu quanto seu ministro da Defesa, Ehud Barak, defendem um ataque ao Irã. A maioria dos integrantes do gabinete do premiê - incluindo os chefes da agências de espionagem civil e militar - opõe-se à decisão de ir à guerra contra Teerã. Uma decisão dessa dimensão teria de ser aprovada pela cúpula do governo.

Em um discurso esta semana, o premiê israelense voltou a alertar sobre a ameaça do programa nuclear iraniano. "Um Irã atômico representará uma assustadora ameaça ao mundo - e especialmente grave para nós", disse. / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.