Netanyahu promete 'mão pesada' contra palestinos após ataques

Mais cedo, soldados israelenses mataram manifestante palestino na Cisjordânia; segundo autoridades israelenses, morte ocorreu durante confronto; parentes de autores de ataques com faca na segunda foram presos

O Estado de S. Paulo

11 Novembro 2014 | 11h41

RAMALLAH - (Atualizada às 16h25) O primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, prometeu nesta terça-feira, 11, "mão pesada" contra o que chamou de onda de violência árabe e acusou o presidente palestino, Mahmud Abbas, de incitar a agitação dos últimos dias. Em um discurso transmitido para todo o país, o premiê disse que Israel tomará "novas e duras medidas" contra manifestantes árabes. 

Mais cedo, nesta terça-feira, soldados israelenses mataram um manifestante palestino em confronto na Cisjordânia. Segundo fontes locais, os enfrentamentos ocorreram no campo de refugiados de Al-Arrub, no norte da cidade de Hebron.

A vítima foi identificada como Muhamad Imad Jawabre, de 21 anos, disse o porta-voz do comitê popular do campo de refugiados, Ali Jawabre. Fontes do hospital Al Mizan, para onde o jovem foi levado, afirmaram que ele levou um tiro no peito e chegou ao local em estado grave.

Uma porta-voz do Exército israelense disse que cerca de 150 palestinos integravam o protesto e atiravam pedras e coquetéis molotov em militares. Em uma tentativa de dispersar a multidão, os soldados dispararam gás lacrimogêneo e balas de borracha.

Como a estratégia não foi o suficiente, eles tiveram de abrir fogo contra os manifestantes. "Nossas forças responderam e confirmaram ter atingido um dos participantes", afirmou o porta-voz.

O Exército de Israel diz que enviou reforços à Cisjordânia seguindo o que chamou de "novas avaliações de segurança".

Prisões. Durante a madrugada, Yamil al Ishlomun, irmão de Maher al Ishlomun, suposto autor do ataque com faca que matou uma mulher na segunda, foi preso. Maher foi internado em um hospital de Jerusalém após ser baleado por um segurança do assentamento.

Também foram detidos o pai e o irmão do palestino que atacou um soldado israelense em Tel-Aviv na segunda. O militar morreu após ser esfaqueado.

No último mês, cinco israelenses e uma cidadã equatoriana morreram em quatro ataques cometidos por palestinos, dois supostos atropelamentos propositais e dois esfaqueamentos.

Outros enfrentamentos. Tropas israelenses também feriram um jovem palestino, que foi levado para um hospital, perto da cidade de Jursa, informou a imprensa local.

Além disso, dois palestinos ficaram feridos em enfrentamentos em Beit Furik, aldeia ao leste de Nablus, informou a agência Maan.

Os enfrentamentos ocorrem no dia que os palestinos lembram o 10.º aniversário da morte de Yasser Arafat. /AP e EFE

Mais conteúdo sobre:
IsraelpalestinosCisjordânia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.