Charles Dharapak/AP
Charles Dharapak/AP

Netanyahu promete resposta dura a Ahmadinejad na ONU

Em discurso à Assembleia Geral, presidente iraniano havia dito que Israel seria 'eliminado', e que Irã continua sob a 'ameaça dos incivilizados sionistas'

Reuters

26 de setembro de 2012 | 17h24

JERUSALÉM - O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, prometeu na quarta-feira uma resposta firme na ONU ao novo ataque verbal do presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, e reiterou seu compromisso em impedir que o Irã obtenha armas nucleares.

Antes de embarcar para Nova York, onde discursará na quinta-feira à Assembleia Geral da ONU, Netanyahu divulgou uma carta aberta aos israelenses por ocasião do Yom Kippur (Dia do Perdão), principal celebração do calendário judaico.

"A respeito do Irã, estamos todos unidos na meta de impedir o Irã de obter armamentos nucleares. No dia em que rezamos para sermos inscritos no Livro da Vida, um palanque foi dado ao regime tirânico do Irã, que busca toda oportunidade de nos sentenciar à morte", disse Netanyahu.

"Na véspera do Yom Kippur, sagrado para o povo judaico, o tirano iraniano optou por pedir publicamente diante do mundo todo para que nós sumamos. Este é um dia negro para aqueles que optaram por permanecer no auditório e escutar essas palavras odiosas."

O premiê não citou nenhum país em especial. A delegação dos EUA não estava no plenário na hora do discurso de Ahmadinejad, e outros países aliados de Israel se retiraram durante a fala dele.

"Nas declarações que farei diante dos representantes das nações na Assembleia-Geral da ONU, eles vão escutar nossa resposta. Como primeiro-ministro de Israel, o Estado do povo judaico, estou trabalhando de todas as maneiras para que o Irã não tenha armamentos nucleares", disse Netanyahu.

"A história prova que aqueles que quiseram nos apagar do mapa fracassaram nesse objetivo, ao passo que o povo judaico superou todos os obstáculos."

Os judeus acreditam que, entre o Rosh Hashaná (ano novo judaico) e o Yom Kippur, Deus decide quem será inscrito no Livro da Vida, o que significa que essas pessoas não irão morrer no próximo ano.

No seu discurso à Assembleia-Geral, Ahmadinejad disse que Israel será "eliminado", e que o Irã continua sob a "ameaça dos incivilizados sionistas para recorrer à ação militar contra a nossa grande nação".

Israel ameaça bombardear instalações nucleares iranianas para impedir o desenvolvimento de armas atômicas. Teerã nega ter a intenção de desenvolver esse tipo de arma, e insiste no caráter pacífico das suas atividades.

Na terça-feira, o presidente dos EUA, Barack Obama, disse que está se esgotando o prazo para uma solução diplomática a respeito da questão nuclear iraniana.

(Reportagem de Dan Williams)

Tudo o que sabemos sobre:
ONUNETANYAHURESPOSTA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.