Thomas Coex/AFP
Thomas Coex/AFP

Netanyahu recusa convite para se reunir com Obama em razão das primárias nos EUA

Casa Branca expressou surpresa com a recusa. Decisão de premiê israelense aumenta a tensão entre os dois países

O Estado de S. Paulo

08 de março de 2016 | 14h59

JERUSALÉM - Israel afirmou nesta terça-feira, 8, que o primeiro-ministro Binyamin Netanyahu declinou um convite para se reunir com o presidente dos EUA Barack Obama em meados de março, em Washington, por não querer interferir nas primárias eleitorais americanas. A decisão aumentou a tensão entre os dois países.

"O primeiro-ministro decidiu não ir a Washington por ora quando a campanha para as primárias americanas estão em seu apogeu", indicou o gabinete de Netanyahu em um comunicado.

A Casa Branca informou na segunda-feira que Netanyahu declinou o convite e expressou sua surpresa pela decisão.

Zeev Elkin, ministro do gabinete israelense próximo de Netanyahu, negou que o governo Obama tenha sido pego desprevenido, dizendo que o embaixador de Israel, Ron Dermer, avisou a Casa Branca com antecedência que a viagem poderia não acontecer.

Trata-se do episódio mais recente de uma relação conturbada entre o líder de direita israelense e o presidente democrata dos EUA, que ainda sofre com as profundas diferenças a respeito do fechamento do acordo nuclear de várias potências, lideradas por Washington, com o Irã, inimigo israelense.

Este novo obstáculo nas relações entre os governos de Obama e Netanyahu ocorre às vésperas da visita a Israel do vice-presidente americano Joe Biden. Sua última visita em 2010 foi ofuscada pelo mal estar causado pelo anúncio da criação de um assentamento judaico durante a viagem.

Netanyahu saudou publicamente a visita de Biden como uma expressão das "relações fortes" entre Israel e EUA. /AFP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.