Ethan Miller / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / AFP
Ethan Miller / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / AFP

Nevada é o primeiro Estado dos EUA a reconhecer o casamento gay em sua Constituição

Medida foi submetida à votação durante a recente eleição presidencial de 3 de novembro e revoga uma proibição de 18 anos

Redação, O Estado de S.Paulo

16 de novembro de 2020 | 20h54

LOS ANGELES - Nevada se tornou o primeiro Estado americano a incluir em sua Constituição o direito ao casamento entre pessoas do mesmo sexo, revogando uma proibição de 18 anos. A medida foi submetida à votação durante a recente eleição presidencial de 3 de novembro e os resultados finais foram publicados nos últimos dias. 

Os eleitores aprovaram a "Emenda para o Casamento Independente de Gênero" com 62% dos votos a favor e 38% contra, segundo o gabinete do secretário de Estado de Nevada.  

"É bom que deixamos os eleitores decidirem", disse o presidente do grupo de defesa Equality Nevada, Chris Davin, à NBC News. “As pessoas escolheram isso, não os juízes ou legisladores. Isso é democracia direta - é como tudo deveria ser.”

Ele disse que a iniciativa é importante para os membros da comunidade LGBTQ, enquanto muitos estão preocupados que a nova maioria conservadora da Suprema Corte dos EUA tente revogar a decisão que protege federalmente o casamento entre pessoas do mesmo sexo. 

A nova lei de Nevada derruba um referendo de 2002 aprovado pelos eleitores que definiu o casamento como união entre "um homem e uma mulher". No entanto, em 2009, uma lei de parceria doméstica foi aprovada pelos legisladores estaduais. 

Mas foi somente em junho de 2015 que a Suprema Corte dos Estados Unidos derrubou todas as proibições estaduais ao casamento entre pessoas do mesmo sexo. 

A medida eleitoral que consagrou esse direito na Constituição de Nevada permite que organizações religiosas e membros do clero do Estado se recusem a realizar o casamento./AFP

 

Tudo o que sabemos sobre:
Nevada [Estados Unidos]casamento gay

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.