Max Host via REUTERS
Max Host via REUTERS

Nevasca cancela cerca de 5 mil voos nos EUA

Onda de frio deixa ao menos 21 mortos no país; expectativa é de que temperaturas baixem a -40ºC neste fim de semana

O Estado de S.Paulo

05 Janeiro 2018 | 08h28

NOVA YORK, EUA - Mais de dois terços dos voos previstos para decolar de aeroportos de Nova York e Boston foram cancelados na em razão da forte nevasca que tem atingido a Costa Leste dos Estados Unidos. Quase 5 mil voos foram cancelados no país, segundo rastreamento do site FlightAware.

+ Americanos estão deixando seus cachorros morrer congelados

Em Nova York, todos os voos que partiriam dos aeroportos de La Guardia e John F. Kennedy foram cancelados. No terminal de Newark, em New Jersey, ocorreram 867 cancelamentos, aproximadamente três quartos das partidas previstas para o dia.

+ O que o frio nos Estados Unidos tem a ver com aquecimento global?

A tempestade, que ameaçava despejar mais de 45 centímetros de neve, matou mais 4 pessoas ontem, elevando o total de mortos a 21. A expectativa era a de que as temperaturas baixem a -40°C neste fim de semana. Ontem, as rajadas de vento atingiram mais de 110 quilômetros por hora em algumas regiões. No leste do Estado de Massachusetts e em Rhode Island, chegou a cair mais de 7 centímetros de neve por hora.

A polícia de Hartford, em Connecticut, acusou ontem uma mulher por crueldade contra animais, após seu cachorro, acorrentado a uma casinha ao ar livre sob o intenso frio, ter morrido congelado. O incidente foi uma das várias mortes de cães por congelamento ocorridas nos últimos dias, fazendo com que organizações de resgates de animais e autoridades alertassem a população sobre a importância de dar abrigo adequado aos bichos.

Em Miami, onde a temperatura chegou a 5°C ontem, iguanas começaram a cair das árvores, paralisadas em razão do frio. Os animais de sangue frio, naturais da América Central, perdem os movimentos em temperaturas abaixo de 10°C. / AP e NYT 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.