Yasin Akgul / AFP
Yasin Akgul / AFP

Nevasca fecha aeroporto, escolas e estradas na Turquia e na Grécia

Terminal aéreo de Istambul ficou parado por pelo menos 24 horas; na Grécia, pelo menos 3,5 mil pessoas são retiradas de seus carros atolados na neve

Redação, O Estado de S.Paulo

25 de janeiro de 2022 | 16h41
Atualizado 25 de janeiro de 2022 | 17h39

ISTAMBUL e ATENAS - A neve cobriu grande parte do leste do Mediterrâneo nesta segunda-feira, 24, fechando escolas, aeroportos, centros de vacinação contra a covid e até o Parlamento grego.

Em Istambul, na Turquia, o aeroporto mais movimentado do continente europeu, com 37 milhões de passageiros no ano passado, não funcionou por pelo menos 24 horas e só foi reabrir nesta terça-feira, 25, comprometendo voos para o Oriente MédioÁfrica, Europa e Ásia

A primeira tempestade de neve do inverno turco causou transtorno para os 16 milhões de moradores de Istambul, a maior cidade do país, onde carros se chocaram depois de derrapar em ruas íngremes e cobertas de gelo. Rodovias acabaram se transformando em grandes estacionamentos. Todo o comércio do município baixou as portas e até a entrega de comida foi interrompida. Os postos de vacinação contra a covid-19 foram fechados.

Em Atenas, capital da Grécia, uma onda de frio derrubou as temperaturas a -14 ºC, causou apagões e bloqueios em várias estradas. Pela primeira vez nevou forte neste inverno no centro da capital grega forçando o fechamento do Parlamento e das escolas. 

Na segunda-feira à tarde, centenas de motoristas ficaram presos em seus veículos, de acordo com imagens divulgadas pela imprensa. O exército, bombeiros e polícia começaram a trabalhar para resgatar os motoristas retidos no início da noite de segunda-feira.  

Pelo menos 3,5 mil pessoas haviam sido retiradas de seus veículos até o início desta terça-feira, 25, mas cerca de 1,2 mil carros permaneceram presos no Attiki Odos, o principal anel viário da capital, disse o porta-voz do governo, Giannis Oikonomou. "Tivemos uma noite muito difícil e um esforço de evacuação sobre-humano está em andamento em Attiki Odos", disse Oikonomou à televisão grega. "Ainda estamos em uma fase muito difícil, pois as previsões indicam que voltaremos a enfrentar dificuldades (do tempo) daqui a pouco", disse.

A forte nevasca continuou nesta terça-feira, 26, também com temperaturas abaixo de zero, informou a Proteção Civil.

"A situação está muito difíicl em Ática (região de Atenas). O maior dos inconvenientes está no anel rodoviário Attiki Odos", que conecta a capital ao oeste, afirmou Christos Stylianides, ministro da Proteção Civil e da Mudança Climática.

Em um pronunciamento na TV, junto ao prefeito de Ática, Giorgos Patoulis, responsáveis policiais e metereologistas, o ministro "pediu desculpas" aos habitantes da cidade pelos enormes engarrafamentos no trânsito e classificou a situação climática como "nunca vista".

Os transportes aéreo e marítimo não foram afetados, mas a circulação de trens do metrô para o aeroporto da capital foi interrompida.  "É uma situação extrema", disse Christos Zerefos, professor de física atmosférica, ao canal de televisão estatal ERT.

Costas Lagouvardos, diretor de pesquisa do Observatório Nacional de Atenas, disse ao canal ANT1 que esse clima não era registrado na capital desde 1968. 

Também houve fortes nevascas na ilha de Eubeia, que foi devastada por incêndios no verão passado. 

Todos os municípios intensificaram os esforços para manter as estradas principais transitáveis. Apagões foram relatados por diversas autoridades do país. / AFP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.