Ron Jenkins/AFP
Ron Jenkins/AFP

Nevasca mata 23, deixa milhões sem luz e atrapalha vacinação nos EUA

Tempestade leva neve, granizo e chuva congelante a regiões dos EUA que não estão acostumadas ao frio

Redação, O Estado de S.Paulo

16 de fevereiro de 2021 | 16h58
Atualizado 16 de fevereiro de 2021 | 22h06

WASHINGTON - Milhões de pessoas ficaram sem energia nesta terça-feira, 16, após uma tempestade de inverno atingir o sul e o centro dos EUA, lugares que não estão acostumados com o frio extremo. A tempestade trouxe neve, granizo e chuva congelante.

As temperaturas nos EUA caíram para patamares que não eram vistos em mais de um século, com -14°C em Oklahoma City e -20°C em Fayetteville, em Arkansas. De acordo com o New York Times, pelo menos 23 pessoas morreram desde que a neve começou, na semana passada, algumas morreram em razão da temperatura, outras após tentativas frustradas de escapar do frio. Mais de 5 milhões de americanos estão sem eletricidade, de acordo com o site PowerOutage.us, que agrega dados das concessionárias.

A maioria das interrupções ocorreu no Texas, onde muitos locais estão sem luz desde domingo em razão de danos causados pela tempestade de neve ou por ordem das autoridades locais. As interrupções de energia também causaram problemas nas estações de tratamento de água no Estado, causando a emissão de alertas à população de que era preciso ferver a água antes de consumi-la.

Milhares de pessoas, de Dallas até a fronteira com o México, ficaram sem água e foram obrigados a usar neve derretida para dar descarga nos vasos sanitários. A nevasca também interrompeu a distribuição da vacina contra a covid, forçando o fechamento de locais de imunização em todo o Sul dos EUA, dificultando o envio de novas doses.

Em entrevista na Casa Branca, Jen Psaki, porta-voz do governo, disse que o presidente, Joe Biden, e sua equipe estavam monitorando de perto a situação e mantendo contato com autoridades locais. / NYT 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.