Nevasca põe NY em emergência

A nevasca que castiga a região nordeste dos Estados Unidos desde sábado, e que ontem atingiu a cidade de Nova York, forçou o prefeito Mike Bloomberg a decretar "emergência de neve" para a cidade e solicitou ao governador George Pataki para declarar "Estado de Emergência" para a região da grande Nova York.Esta já é considerada a pior tempestade de neve desde 1966, e uma das cinco piores na história da cidade. Por conta do feriado do "Dia do Presidente", muitos nova-iorquinos não foram ao trabalho hoje.As bolsas de valores e o mercado financeiro também não estão operando, mas muitas atividades, como escolas e universidades, foram canceladas. Até por volta do meio-dia (horário local) já havia caído cerca de 17 polegadas (43 centímetros) de neve em Manhattan, cerca de 20 polegadas (50 centímetros) em Queens e 18 polegadas (46 centímetros) no Brooklyn.Espera-se que até meia-noite de hoje, quando termina o estado de alerta em razão da tempestade de neve, tenham caído cerca de 24 polegadas (60 centímetros) de neve na cidade. Muitas linhas de ônibus não estão funcionando. O metrô opera normalmente, porém há atrasos em quase todas as linhas.A expectativa é de que a acumulação de neve atrase a volta ao trabalho amanhã, afetando, inclusive, a liquidez dos mercados. O prefeito Bloomberg, em entrevista coletiva, já avisou que não será possível limpar as ruas da cidade até a próxima quarta-feira."Na nevasca de 1966, por exemplo, foram necessárias 48 horas para limpar as ruas da cidade", disse Bloomberg. Ele fez um apelo aos nova-iorquinos para utilizar transporte público e evitar dirigir, especialmente para Manhattan.Segundo o prefeito, os túneis e pontes que ligam Manhattan aos outros bairros estão abertos. Bloombeg estimou que custará aos cofres da Prefeitura pelo menos US$ 20 milhões para limpar as ruas da cidade.Os aeroportos estão fechados para pouso e decolagem e a principal companhia ferroviária, a Amtrak, cancelou 25% das viagens na região nordeste dos EUA, especialmente entre Nova York e Washington, uma das rotas mais movimentadas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.